Delta ganhou mais no governo Rosinha Garotinho, afirma Cabral

O ex-governador declarou que empreiteira "faturou valores mais elevados durante a gestão da ex-governadora Rosinha Garotinho do que durante seu mandato"

São Paulo - Em depoimento à Polícia Federal, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) declarou que a empreiteira Delta Construções "faturou valores mais elevados durante a gestão da ex-governadora Rosinha Garotinho do que durante seu mandato".

O peemedebista afirmou que sua amizade com Fernando Cavendish, dono da companhia, durou entre 2001 até 2012, "quando o governo do Estado do Rio de Janeiro, seguindo parecer da Procuradoria-Geral do Estado, acompanhou a declaração de idoneidade emitida pela CGU, com relação à Delta Construções".

"Ressalta que a Delta Construções, antes mesmo de assumir como governador do Estado, em 2007, já era a maior contratante com os órgãos público municipais e estaduais", disse Cabral.

"Nega veementemente a existência de qualquer tipo de intercessão que tenha feito para beneficiar a empresa Delta Construções para a reforma do estádio do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014 tal como veiculado nas colaborações premiadas dos executivos da Andrade Gutierrez, como Rogério Nora e Clóvis Primo."

Fernando Cavendish, alvo da Operação Saqueador em junho deste ano, negocia acordo de delação premiada sobre supostos pagamentos de propinas a políticos do PMDB e do PSDB relacionados a obras nos governos de São Paulo, Rio e Goiás, além de estatais federais como o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e Petrobras.

Em um trecho da proposta de colaboração, o dono da Delta relata seu relacionamento com Sérgio Cabral e desvios praticados para obter contratos de obras, como a reforma do Estádio do Maracanã, do Parque Aquático Maria Lenk, na Barra da Tijuca, realizado com dispensa de licitação, e da transposição do Rio Turvo.

A relação Cabral-Cavendish ganhou holofotes quando o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR) publicou, em 2012, em seu blog, fotos do empresário, do ex-governador e de integrantes do governo carioca em momentos de descontração em Paris e Mônaco.

Nas imagens que Garotinho informava serem de 2009, Cavendish aparecia com secretários de Estado em clima de grande confraternização e alegria, todos com lenços brancos na cabeça.

Além de Cavendish, no grupo estavam o então secretário de Saúde, Sergio Cortês, e o de governo, Wilson Carlos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também