EXAME Agro

Brasil regula abate e processamento de animais para mercado religioso

Segundo o Ministério da Agricultura, autorização para o procedimento depende do cumprimento de leis de bem-estar dos animais

Criação de bovinos no Mato Grosso (Helder Faria/Getty Images)

Criação de bovinos no Mato Grosso (Helder Faria/Getty Images)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 15h07.

A diversidade religiosa no Brasil é refletida diretamente na alimentação e no consumo da população, que, somadas à expansão das exportações de produtos de origem animal para países asiáticos, criaram um mercado específico e cheio de potencial: o do abate religioso de animais para açougue.

Em países como Egito, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos, grande parte da população é muçulmana, religião que traz, na sua essência, regras do que é permitido na forma de se relacionar com outros seres vivos.

Em árabe, a palavra halal, que significa lícito, define aquilo que é permitido, inclusive na hora de se alimentar. Para o consumo de animais, por exemplo, há espécies consideradas impuras, como o porco, e outras que precisam passar por um procedimento de purificação desde o abate até o corte, para que possam ser consumidas, como o frango e bovinos.

Nos países judaicos, como Israel, também há regras sobre o que é considerado apropriado, ou kosher, e há procedimentos específicos para cada etapa de beneficiamento dos produtos de origem animal.

Preceitos religiosos

Para atender esses mercados dentro e fora do Brasil, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) definiu regras para solicitação, avaliação, concessão e revogação da autorização para abate e processamento de animais para açougue, de acordo com preceitos religiosos.

Para receber a autorização de funcionamento, esses estabelecimentos terão que fazer uma solicitação ao serviço de inspeção federal, por meio do sistema eletrônico do Mapa, com declaração da autoridade religiosa correspondente e especificação de regras que conflitem com normas brasileiras.

Para a autorização, é necessário que os procedimentos estejam de acordo com as leis que tratam do bem-estar dos animais de abate e também o atendimento dos requisitos sanitários no Brasil e do país de destino dos produtos.

Os procedimentos foram detalhados em uma portaria publicada no Diário Oficial da União, que entrará em vigor a partir do dia 2 de maio.

Acompanhe tudo sobre:ExportaçõesCarnes e derivadosÁsiaMinistério da Agricultura e Pecuária

Mais de EXAME Agro

Safra 2024 alcançará 299,6 milhões de toneladas, 5,0% menor que a de 2023, diz IBGE

Governo vai subsidiar arroz importado por causa da chuva no RS. Saco de 5kg não passará de R$ 20

SP aumenta exportações de açúcar e café e agro tem superávit de US$ 7,5 bilhões na balança comercial

Exportação em abril de frango cresce 10% em volume, aponta ABPA

Mais na Exame