Acompanhe:

O setor agrícola desempenha um papel crítico na economia global. Fornece emprego a uma parcela significativa da força de trabalho mundial e contribui para o PIB de muitos países. No Brasil, por exemplo, o PIB do agro representa cerca de 25% de tudo o que é produzido no país.

No entanto, ainda que traga avanços para a economia, as práticas agrícolas convencionais, como a utilização intensiva de fertilizantes e pesticidas sintéticos, a monocultura e a agricultura industrial em grande escala, tiveram um impacto negativo no meio ambiente e na saúde em todo o mundo.

A agricultura sustentável é um caminho que oferece uma solução viável para esses desafios. Isso porque trata-se de um sistema alimentar mais resiliente, equitativo e ambientalmente sustentável que beneficia todas as pessoas, afirma o Fórum Econômico Mundial. Conforme a instituição publicou em artigo recentemente, “a agricultura sustentável é mais importante agora do que nunca”.

A razão dessa firmação? As alterações climáticas estão aumentando a degradação do solo e diminuindo os níveis das águas subterrâneas, tornando mais difícil para os agricultores produzir alimentos suficientes para alimentar uma população crescente.

Em resumo, as alterações climáticas colocam em risco a segurança alimentar. E, enquanto as práticas agrícolas convencionais exacerbam esses problemas, contribuindo para a erosão do solo, a perda de biodiversidade e a poluição dos recursos hídricos, a agricultura sustentável vai em sentido oposto.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), práticas agrícolas insustentáveis são responsáveis por 70% das retiradas de água doce do planeta globalmente e por 80% do desmatamento.

Diante disso, o Fórum Econômico Mundial listou cinco formas de acelerar a transição para práticas agrícolas sustentáveis:

 1. Utilizar práticas regenerativas e soluções baseadas na natureza

A agricultura regenerativa foca na melhoria da saúde do solo, no reforço da biodiversidade e no aumento da capacidade dos ecossistemas em sequestrar carbono. Essa abordagem envolve práticas como lavoura de conservação, culturas de cobertura, rotação de culturas, culturas consorciadas e sistemas agroflorestais.

Ao incorporar essas práticas em seus sistemas agrícolas, os agricultores podem melhorar a fertilidade do solo, aumentar os rendimentos e reduzir as emissões de gases de efeito de estufa.

 2. Adotar técnicas de Manejo Integrado de Pragas (MIP)

O MIP envolve o uso de múltiplas estratégias para controlar pragas, doenças e ervas daninhas de uma forma que minimize os danos à saúde humana e ao meio ambiente. Essas estratégias podem incluir controles biológicos, rotação de culturas, utilização de variedades resistentes e práticas culturais. O MIP pode reduzir o uso de pesticidas, melhorar o rendimento das colheitas e proteger os ecossistemas naturais.

3. Ampliar as práticas agroflorestais

A agrossilvicultura envolve a integração de árvores e arbustos em paisagens agrícolas. Essa abordagem pode melhorar a fertilidade do solo, reduzir a erosão, aumentar a biodiversidade e proporcionar fluxos de rendimento adicionais aos agricultores através da produção de madeira, frutos e outros produtos florestais não madeireiros.

4. Promover a circularidade na agricultura

A agricultura circular é um sistema que visa reduzir resíduos, reciclar nutrientes e regenerar recursos naturais. Isso pode ser conseguido através de práticas como compostagem, culturas de cobertura e sistemas integrados de produção pecuária.

Ao adotar práticas agrícolas circulares, os agricultores podem reduzir a sua dependência de fatores de produção externos, como fertilizantes sintéticos e pesticidas, melhorando ao mesmo tempo a saúde do solo e reduzindo o desperdício.

5. Adotar soluções agrícolas digitais

As soluções agrícolas digitais, como tecnologias de agricultura de precisão, softwares de gestão agrícola e ferramentas de gestão da cadeia de abastecimento, podem ajudar os agricultores a melhorar a eficiência, reduzir o desperdício e aumentar a rentabilidade.

As tecnologias agrícolas de precisão, como drones, sensores e imagens de satélite, podem fornecer aos agricultores dados em tempo real sobre a umidade do solo, os níveis de nutrientes e a saúde das culturas, permitindo otimizar os fatores de produção e reduzir custos.

Já ferramentas de gestão da cadeia de abastecimento, como blockchain, podem ajudar a aumentar a transparência, a rastreabilidade e a responsabilização no setor alimentar.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
De olho nas tendências, JBS apresenta novidades na maior feira de alimentos e bebidas do mundo
seloNegócios

De olho nas tendências, JBS apresenta novidades na maior feira de alimentos e bebidas do mundo

Há uma semana

Biodiesel B100 tem rendimento equivalente ao diesel fóssil, aponta teste
ESG

Biodiesel B100 tem rendimento equivalente ao diesel fóssil, aponta teste

Há 2 semanas

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas
EXAME Agro

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas

Há 3 semanas

Conheça a startup que transforma cascas de abacaxi em produtos de limpeza
seloNegócios

Conheça a startup que transforma cascas de abacaxi em produtos de limpeza

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais