Acompanhe:

Fed deve reduzir compra de títulos e rescrever orientação

Decisão representaria tanto continuidade quanto um aceno para a realidade econômica

Modo escuro

Continua após a publicidade
Federal Reserve: redução nas compras mensais do Fed de Treasuries e títulos hipotecários em 5 bilhões de dólares cada, como amplamente esperado, levaria o total mensal para 55 bilhões de dólares (Karen Bleier/AFP)

Federal Reserve: redução nas compras mensais do Fed de Treasuries e títulos hipotecários em 5 bilhões de dólares cada, como amplamente esperado, levaria o total mensal para 55 bilhões de dólares (Karen Bleier/AFP)

A
Ann Saphir

Publicado em 19 de março de 2014 às, 11h38.

Última atualização em 5 de novembro de 2016 às, 16h38.

Washington - O Federal Reserve, banco central norte-americano, deve reduzir as compras de títulos pela terceira vez seguida nesta quarta-feira e provavelmente vai rescrever a orientação sobre quando pode eventualmente elevar as taxas de juros.

Ao fim da primeira reunião do Fed presidida por Janet Yellen, essa decisão representaria tanto continuidade quanto um aceno para a realidade econômica.

A redução nas compras mensais do Fed de Treasuries e títulos hipotecários em 5 bilhões de dólares cada, como amplamente esperado, levaria o total mensal para 55 bilhões de dólares. Além disso, manteria o banco central no caminho apresentado pelo predecessor de Yellen, Ben Bernanke, para reduzir o programa em passos medidos.

É menos certo o que o Fed fará sobre sua orientação quanto à taxa de juros. O banco central tem dito desde dezembro de 2012 que não vai considerar elevar as taxas de curto prazo até que a taxa de desemprego caia para ao menos 6,5 por cento, desde que a inflação permaneça contida.

Mas a taxa de desemprego já recuou para 6,7 por cento, em parte em função de pessoas desistiram de procurar emprego, e autoridades acham que a economia ainda está longe de se mostrar pronta para juros mais altos.

Autoridades do Fed têm indicado que devem descartar o patamar numérico e adotar orientação mais qualitativa, mas exatamente como se dará a mudança ainda não está claro.

O desafio que enfrentam é fazê-lo sem alterar as expectativas do mercado sobre quando acontecerá o primeiro aumento dos juros. Atualmente, as estimativas apontam que isso deve ocorrer em meados do ano que vem, em linha com a visão de alguma das principais autoridades do Fed.


O economista-chefe do Bank of the West, Scott Anderson, disse que o desfecho provavelmente será "um comunicado qualitativo menos transparente, e talvez menos útil" sobre as condições econômicas que o Fed quer ver antes de elevar os juros.

Mercados

O Fed tem mantido as taxas overnight quase zeradas desde dezembro de 2008 e comprou mais de 3 trilhões de dólares em dívida de longo prazo para manter baixos os custos de financiamento e estimular o investimento e o emprego.

O banco central começou a reduzir o estímulo em dezembro, anunciando corte nas compras mensais de títulos de 10 bilhões de dólares. Em janeiro, o Fed informou que reduziria as compras em mais 10 bilhões de dólares.

Ao mesmo tempo, buscou aplacar qualquer expectativa do mercado de que a alta dos juros acontecerá em breve com sua chamada orientação futura. Mas a marca determinada para a taxa de desemprego pode ser rompida em breve e autoridades querem encontrar uma maneira mais durável de telegrafar sua visão sobre quando apertarão a política monetária.

Mesmo autoridades que preferem uma alta mais cedo querem que o comitê de política do Fed evite surpresas que possam levar a turbulências no mercado.

"Tenho certeza que este comitê estará interessado em fazer seu melhor para comunicar o que prevemos para a política", disse o presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, neste mês.

O Fed anunciará a decisão em comunicado às 15h (horário de Brasília). Trinta minutos depois, Yellen dará sua primeira entrevista à imprensa desde que assumiu o comando do banco central em 1º de fevereiro.

Últimas Notícias

Ver mais
Erdogan diz que Otan não deve contar com aval para adesão da Suécia antes de julho
Agências

Erdogan diz que Otan não deve contar com aval para adesão da Suécia antes de julho

Há 8 meses

'Brasil não pode mais ser marginalizado exterior', diz Lula em BH
Agências

'Brasil não pode mais ser marginalizado exterior', diz Lula em BH

Há um ano

Japonês Ei-ichi Negishi, Nobel de Química em 2010, morreu aos 85 anos
Agências

Japonês Ei-ichi Negishi, Nobel de Química em 2010, morreu aos 85 anos

Há 2 anos

STJ manda prender homem que atropelou filho de Cissa Guimarães
Agências

STJ manda prender homem que atropelou filho de Cissa Guimarães

Há 5 anos

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais