Acompanhe:

Usuários do Facebook protestam contra política de nome real

Transgêneros, drag queens e outras pessoas planejam ir ao escritório da empresa em São Francisco para pedir a mudança da necessidade do nome verdadeiro na rede

Modo escuro

Continua após a publicidade
#MyNameIs: Drag queens, transgêneros e outros atingidos pela política "nome verdadeiro" do Facebook irão fazer um protesto em São Francisco  (Divulgação/MyNameIs)

#MyNameIs: Drag queens, transgêneros e outros atingidos pela política "nome verdadeiro" do Facebook irão fazer um protesto em São Francisco (Divulgação/MyNameIs)

G
Gabriel Garcia

Publicado em 30 de maio de 2015 às, 11h15.

São Paulo -- Drag queens planejam liderar um protesto na porta da sede do Facebook em São Francisco, na segunda-feira (1), em resposta à política de “nomes verdadeiros” da empresa.

O Facebook tem se posicionado contra o anonimato de seus usuários e está suspendendo contas quando as pessoas não usam seus nomes oficialmente reconhecidos.

A nova política fez com que drag queens, transgêneros, índios, vitimas de violência domestica e outras pessoas que não querem usar os nomes presentes em suas certidões de nascimento se unisseem contra a medida, formando o grupo #MyNameIs (Meu nome é, em inglês).

Atualmente, qualquer usuário pode denunciar que outro está usando uma identidade falsa. Alguns membros da #MyNameIs acreditam que eles são alvos de outros usuários que se opõem a suas identidades e comportamentos. “O Facebook se alia a essas pessoas”, diz Sister Roma, uma das líderes do movimento para mudar a política.

Ela e outras pessoas contrárias a política de nomes verdadeiros do Facebook se encontraram várias vezes com representantes da empresa para discutir a política, incluindo o diretor de produtos, Chris Cox, e a chefe de política global, Monika Bickert.

Drag queens questionaram a rede social em setembro após receberem diversos e-mails pedindo que elas colocassem seus “nomes reais” nos perfis. Cox pediu desculpas pelos e-mails, mais tarde. Mas as conversas, desde então, pararam. E o grupo acredita que a empresa não está se mexendo rápido o suficiente para resolver o problema.

O Facebook ajustou sua política para criar um processo de recurso mais claro para as pessoas cujas contas foram suspensas e afrouxou as condições para pessoas que queiram usar seus “nomes autênticos” ao invés do nome escrito na certidão de nascimento. Mas a empresa afirma que um elemento chave de seu site é o fato de não permitir usuários anônimos. 

“Obrigar as pessoas a usarem seus nomes reais as torna mais responsáveis, e isso nos ajuda a remover contas criadas com propósitos maliciosos, como assedio, fraude e discurso de ódio”, disse a empresa em um comunicado.

Os críticos a essa política acreditam que ela é arcaica e precisa ser modificada.

“O Facebook não é mais um site descolado lançado por um bando de caras que queriam conversar entre si e encontrar meninas, e ver com quem elas estão falando”, disse Sister Roma. “Ele mudou e chegou a hora das políticas e ideias originais do Facebook mudarem, porque as identidades dos usuários são tão fluidas quanto os próprios usuários atualmente.

Últimas Notícias

Ver mais
Reddit dá início a IPO e usuários mais ativos poderão comprar ações
Tecnologia

Reddit dá início a IPO e usuários mais ativos poderão comprar ações

Há 17 horas

Pane 'misterioso' nos EUA deixa milhões sem internet — e FBI investiga
Tecnologia

Pane 'misterioso' nos EUA deixa milhões sem internet — e FBI investiga

Há 17 horas

Google terá novo centro de engenharia em São Paulo
Tecnologia

Google terá novo centro de engenharia em São Paulo

Há um dia

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre
Tecnologia

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais