Tecnologia

Usuário poderá escolher se quer iPhone mais lento ou não

Em entrevista nos EUA, CEO da Apple diz que atualização do sistema dará autonomia para usuário escolher se quer iPhone mais lento por problemas na bateria

iPhone: sistema mostrará saúde da bateria ao usuários (Apple/EXAME.com/Divulgação)

iPhone: sistema mostrará saúde da bateria ao usuários (Apple/EXAME.com/Divulgação)

Victor Caputo

Victor Caputo

Publicado em 18 de janeiro de 2018 às 10h25.

Última atualização em 18 de janeiro de 2018 às 12h57.

São Paulo – Tim Cook, CEO da Apple, afirmou que uma atualização no sistema do iPhone deixará usuários escolherem se querem o smartphone mais lento para poupar a bateria. A informação foi passada em uma entrevista com a ABC News.

A diminuição na velocidade de processamento foi uma solução encontrada pela Apple para melhorar a duração da bateria em smartphones mais antigos. O problema é que a companhia não havia comunicado isso a seus usuários, causando uma crise.

“Nós vamos dar às pessoas informações sobre a saúde de suas baterias então será [uma situação] muito, muito transparente”, disse o CEO. “Isso não foi feito antes.”

Informações como a saúde da bateria do iPhone podem ser acessadas somente ao usar aplicativos de outros desenvolvedores. Tim Cook dá a entender que a Apple passará a exibir essa informação em algum menu do iPhone.

Para ser mais transparente, o sistema dirá ao usuário quando estiver diminuindo a velocidade de processamento do iPhone. “Se você quiser, poderá desligar isso”, disse Cook se referindo às diminuições de velocidade de processamento.

A diminuição no processamento deixou, de acordo com um especialista, o iPhone 6 com metade da sua velocidade de processamento original.

Acompanhe tudo sobre:AppleiPhoneSmartphonesTim Cook

Mais de Tecnologia

China cria fundo de US$ 47 bilhões para buscar autossuficiência em semicondutores

Elon Musk recebe mais de R$ 30 bilhões para desafiar OpenAI

Influenciadores são banidos na China por "ostentação excessiva"

Colapso de startup pode prejudicar 10 milhões de clientes nos EUA

Mais na Exame