Tecnologia

Telebras ainda não definiu localidades que receberão internet rápida

São Paulo – A Telebras ainda não definiu as localidades onde poderá oferecer o acesso à internet rápida, previsto no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). O certo, até o momento, é que ele será oferecido diretamente ao consumidor dos municípios onde as atuais prestadoras não atendem a um “padrão de qualidade”, informou hoje (25) […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h42.

São Paulo – A Telebras ainda não definiu as localidades onde poderá oferecer o acesso à internet rápida, previsto no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). O certo, até o momento, é que ele será oferecido diretamente ao consumidor dos municípios onde as atuais prestadoras não atendem a um “padrão de qualidade”, informou hoje (25) o presidente da Telebras, Rogério Santanna dos Santos. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), entretanto, não definiu uma padronização de qualidade para o acesso à banda larga, que deverá ocorrer ainda este ano.

Santanna ressaltou, porém, que a chance da Telebras passar a oferecer sozinha a internet rápida ao consumidor final é remota. "A possibilidade da Telebras entrar é na situação extrema. Somente se não conseguir em momento nenhum achar sequer um parceiro local ou um franqueado que possa operar o serviço. Ou só em situações em que não se conseguiu articular absolutamente nenhuma situação com a iniciativa privada, que ela [Telebras] entrará", disse.

O presidente da empresa disse ainda que o papel da estatal está centrado na construção de uma infraestrutura alternativa para o acesso à banda larga, que atinja, principalmente, as regiões onde não há o serviço. Nos locais onde já exista uma rede, a intenção é reduzir os custos. Atualmente, 184 cidades possui o serviço de internet rápida oferecido por mais de uma prestadora. Em 2.035 cidades o acesso é fornecido apenas por uma empresa. Nas demais, não há acesso à banda larga.

"Hoje, o pacote médio de 256 kbps custa R$ 96. Nós [com o PNBL] vamos reduzir a um terço o preço e dobrar a velocidade disponível. É pouco, eu também acho, gostaria que fosse mais, mas é bastante razoável para um país que hoje não tem esse serviço [em todas localidades]", afirmou.

Sobre as críticas feitas à decisão do governo de reativar a Telebras, Santanna disse que seria mais viável o governo financiar as atuais prestadoras de serviço para a expansão da banda larga no país, mas que “o problema está na falta de concorrência”. “Se financiarmos os monopolistas, o problema continuaria. O papel é oferecer uma infraestrutura alternativa”, disse.

De acordo com o presidente da Telebras, o plano da empresa é que a internet banda larga chegue ao consumidor final a um preço de R$ 35, já incluídos todos os impostos. A velocidade será de 512 Kbps. Apesar da velocidade de conexão ser considerada baixa, Santanna justificou que é o primeiro passo para boa parte da população que nunca teve acesso à internet rápida.

"É preciso entender que a classe C não tem esse acesso. Não tem nenhum acesso. E aumentar a velocidade é muito mais barato. O difícil é fazer a infraestrutura. Se alguém quiser contratar velocidade mais alta, vai poder contratar, mas não vai pagar os RS 35. Não é um teto, é um piso", disse.

Acompanhe tudo sobre:Banda largaEmpresasInternetTecnologia da informaçãoTelebrasTelecomunicações

Mais de Tecnologia

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

IBM Consulting troca gerente geral para renovar foco em projetos de inteligência artificial

Tecnologia vira aliada no cuidado de idosos na China

Ciberataques causam colapso em hospitais do Reino Unido

Mais na Exame