Tecnologia

RIM concede à Índia acesso parcial ao BlackBerry Messenger

A Índia, um dos mercados de telefonia móvel que mais cresce no mundo, também exige o acesso ao tráfego de email

A Índia manifestou preocupação de que os serviços do BlackBerry poderiam ser usados para gerar instabilidade política ou social  (.)

A Índia manifestou preocupação de que os serviços do BlackBerry poderiam ser usados para gerar instabilidade política ou social (.)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de outubro de 2010 às 23h16.

Nova Déli - A fabricante do smartphone BlackBerry cedeu aos pedidos do governo indiano e abriu o acesso manual a seu serviço de mensagens instantâneas, além de prometer automatizar o acesso até 1o de janeiro, permitindo que as autoridades do país monitorem informações em tempo real, segundo informou o Secretário do Interior nesta sexta-feira.

A Índia, um dos mercados de telefonia móvel que mais cresce no mundo, também exige o acesso ao tráfego de emails codificados enviados pelos servidores da RIM (Research In Motion's).

A fabricante do BlackBerry afirmou que seu sistema é desenvolvido para permitir que apenas as empresas assinantes de emails corporativos tenham a capacidade tecnológica para conceder o acesso a essas mensagens.

O país é um de vários que recentemente manifestaram preocupação de que os serviços do BlackBerry poderiam ser usados para gerar instabilidade política ou social e que ameaçaram bloquear o smartphone da RIM caso não obtenham acesso a dados codificados.

Ao final de agosto, a Índia adiou em 60 dias o prazo inicial para que a RIM apresentasse uma solução para o impasse. A empresa canadense ainda não confirmou se permitiu, de fato, o monitoramento dos dados pelas autoridades indianas.

Leia mais notícias sobre RIM

Siga as notícia sobre Tecnologia no Twitter
 

Acompanhe tudo sobre:BlackBerryEmpresasseguranca-digital

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame