Quais são as cidades com o pior trânsito do mundo?

Levantamento analisa mais de 400 cidades para elaborar ranking anual; brasileiras não estão no "top 10"

Em metrópoles, fica difícil imaginar a vida sem trânsito. Mas, apesar da demora encontrada em muitas cidades brasileiras para se locomover de um ponto a outro, o país não tem nenhuma cidade listada no "top 10" locais com pior trânsito no mundo todo. É o que mostra o TomTom Global Traffic Index, empresa que fornece tecnologia de sistema de navegação para automóveis.

Que tal viajar mais no mundo pós-pandemia? Conheça o curso de liberdade financeira da EXAME Academy

De acordo com o estudo, que mapeia 416 cidades em 57 países há nove anos, o aumento contínuo do tráfego globalmente, ano a ano, foi significativamente interrompido pela pandemia de covid-19: 387 cidades apresentaram diminuição significativa (aproximadamente 21%) no congestionamento geal e de 28% nos horários de pico. Apenas 13 cidades tiveram aumento do trânsito no último ano.

Segundo as informações compiladas, a cidade com o pior trânsito em 2020 foi Moscou, com um nível de congestionamento de 54% em 2020 -- o que significa que as viagens demoraram, em média, 54% mais tempo do que se o trajeto mapeado estivesse sem trânsito. Em seguida, estão empatadas em 53% as cidades de: Mumbai, Bogotá e Manila.

Em relação ao Brasil, a primeira cidade a aparecer no ranking é Recife (na 24ª posição, com aumento de 37% no tempo gasto no trânsito em relação ao trajeto habitual). Em seguida, estão Rio de Janeiro (40ª posição), Fortaleza (48ª), Salvador (51ª) e São Paulo (59ª).

Veja o gráfico abaixo:

Os autores do estudo acreditam que a pandemia pode abrir caminhos para a redução no trânsito nos próximos anos e, consequentemente, um mundo ligeiramente mais sustentável a partir da redução de emissões de poluentes. Resta saber como o mundo vai se comportar no pós-pandemia para comprovar essa tese.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.