Tecnologia

PGE-RJ denuncia Orkut à Justiça por servir a crimes

Procuradores pedem que o site seja bloqueado caso o Google não tome medidas para defender os internautas de criminosos virtuais

Procuradoria considera que o Google é incapaz de proteger os usuários do Orkut de ter um perfil falso na rede social (.)

Procuradoria considera que o Google é incapaz de proteger os usuários do Orkut de ter um perfil falso na rede social (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h48.

São Paulo - A Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro anunciou ontem que entrou com uma ação civil pública contra o Google. Na ação, os procuradores acusam a rede de relacionamento Orkut - que pertence à empresa - de servir como meio para práticas criminosas, como apologia ao crime, pedofilia, falsa identidade e crimes contra a honra. Segundo a Delegacia de Repressão a Crimes na Internet, cerca de 1,3 mil registros de crimes têm alguma referência ao Orkut.

Os procuradores relatam que a empresa não é culpada direta pelos crimes. No entanto, consideram que o Google não disponibiliza recursos - sistemas, no caso - para monitorar a rede social e evitar que criminosos, como pedófilos, ajam na rede social. Eles consideram ainda que a empresa é incapaz de proteger os usuários do Orkut e até as pessoas que nunca acessaram à web de ter um perfil falso na rede social.

Caso o juiz do caso aceite as acusações, o Google pode receber multa de mais de R$ 100 mil e ter o Orkut bloqueado se não criar, em 120 dias, soluções para defender os internautas que usam a rede social dos criminosos virtuais. Segundo a Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro, são elas:

"- Manter o IP de criação de qualquer comunidade ou perfil e manter registros periódicos de 'log' das comunidades;

- Criar e manter sistemas aptos a identificar a existência de perfis, comunidades ou páginas dedicados à pedofilia, interrompendo imediatamente seu funcionamento, comunicando tal fato imediatamente ao Estado e preservando, por um ano, os 'logs' realizados até então;

- Criar e manter sistemas aptos a identificar (em especial por meio de ferramenta que busque palavras constantes de lista a ser fornecida e atualizada pelo Estado) a existência de perfis, comunidades ou páginas dedicados à apologia ao crime, inclusive de marcação de brigas/rixa entre torcidas de agremiações esportivas rivais, comunicando a existência ou suspeita de existência imediatamente ao Estado, viabilizando ao Estado o acesso pleno ao respectivo conteúdo, preservando, por um ano, os 'logs' realizados e interrompendo seu funcionamento ou limitando seu acesso, caso assim seja determinado pelo Estado;

- Criar e manter sistemas e canais de comunicação que permitam a qualquer usuário devidamente identificado, que tenha sido diretamente ofendido por conteúdo veiculado em perfis, páginas ou comunidades, requerer a supressão de tal conteúdo;

- Promover ampla campanha midiática, incluindo no mínimo jornais, rádio e televisão em 'horário nobre', com o objetivo de alertar pais e responsáveis acerca dos riscos de utilização da rede mundial de computadores, e, em especial, do Orkut"

Procurada, a assessoria do Google não foi localizada na hora da publicação da notícia.

Leia outras notícias sobre o Google ou sobre o Orkut

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirascrimes-digitaisEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleInternetJustiçaMetrópoles globaisOrkutRedes sociaisRio de Janeiroseguranca-digitalTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame