Tecnologia

Oposição britânica promete web ultra-rápida

Londres - Investir em uma rede de internet de alta velocidade pode abrir uma nova rota comercial para a economia britânica, impulsionando a recuperação econômica e criando milhares de empregos, afirmou o Partido Conservador britânico. O partido de oposição, que atualmente está à frente nas pesquisas eleitorais, planeja gerar 29 bilhões de libras (43,27 bilhões […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de março de 2010 às 15h51.

Londres - Investir em uma rede de internet de alta velocidade pode abrir uma nova rota comercial para a economia britânica, impulsionando a recuperação econômica e criando milhares de empregos, afirmou o Partido Conservador britânico.

O partido de oposição, que atualmente está à frente nas pesquisas eleitorais, planeja gerar 29 bilhões de libras (43,27 bilhões de dólares) em investimentos privados na rede de banda larga ao liberar o acesso à infraestrutura, que é hoje dominada pela operadora de telecomunicações BT, e oferecer empréstimos para encorajar empresas a melhorar a banda larga de alta velocidade nas áreas rurais.

"Para a Grã-Bretanha, a Internet oferece uma oportunidade que não oferece a qualquer outro país europeu", disse o porta-voz de cultura do partido, Jeremy Hunt. "Somos um dos melhores países no mundo na criação de conteúdo digital; a internet, efetivamente, abre uma nova rota comercial (para nós)".

Ele acrescentou que: "Caso queiramos virar um centro das indústrias digital e criativa, precisamos dizer que não apostem contra a necessidade de uma velocidade maior de conexão, porque haverão muitos e muitos aplicativos que irão precisar disso".

O fundo National Endowment for Science, Technology and the Arts (NESTA) estima que a ampliação do acesso à banda larga com uma velocidade de 100 Mb por segundo, velocidade 33 vezes mais rápida que os

 

Acompanhe tudo sobre:Banda largaEuropaInternetPaíses ricosPolítica monetáriaReino Unido

Mais de Tecnologia

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

69% dos brasileiros acreditam que seus aparelhos espionam suas conversas

Segurança em xeque: Microsoft prioriza lucro e deixa governo dos EUA vulnerável

NIO lança estação que realiza troca de bateria em apenas 3 minutos

Mais na Exame