OnlyFans vai bloquear vídeos de sexo explícito a partir de outubro

Empresa está sendo pressionada por bancos e meios de pagamento a deixar de lado conteúdo mais explícito
OnlyFans: empresa busca novo aporte para alcançar valuation de 1 bilhão de dólares (Jakub Porzycki/NurPhoto/Getty Images)
OnlyFans: empresa busca novo aporte para alcançar valuation de 1 bilhão de dólares (Jakub Porzycki/NurPhoto/Getty Images)
R
Redação EXAME

Publicado em 19/08/2021 às 16:54.

Última atualização em 19/08/2021 às 17:02.

O OnlyFans pretende deixar a pecha de site com conteúdo pornográfico no passado. A empresa afirmou que irá começar a bloquear conteúdo de sexo explícito a partir de outubro, segundo a agência Bloomberg.

Os usuários ainda poderão utilizar a plataforma para publicar imagens e vídeos de nudez, mas terão de ser consistentes com a política da plataforma.

A plataforma estaria sofrendo pressão de parceiros como bancos e meios de pagamento, para abandonar o conteúdo explícito. "Para garantir a sustentabilidade de longo prazo da nossa plataforma, e continuar a hospedar uma comunidade inclusiva de criadores e fãs, precisamos evoluir nossas diretrizes de conteúdo", disse a empresa à Bloomberg.

O OnlyFans cresceu promovendo uma plataforma em que fãs de criadores de conteúdo pudessem assinar os perfis, remunerando essas pessoas mensalmente, além de dar gorjetas e promover interação entre criadores e fãs. A rede já conta com 130 milhões de usuários com base nesse sistema.

Apesar disso, diferentemente de outras plataformas de apoio, como Patreon, muitos dos perfis no OnlyFans publicam nudes em vídeos e fotos e a rede se tornou uma espécie de porto seguro para pessoas que trabalham na indústria sexual.

De acordo com a Bloomberg, o apelo sexual do OnlyFans estaria dificultando conversas com investidores, em um momento que a plataforma busca uma avaliação de mais de 1 bilhão de dólares. No ano passado, a empresa faturou 2 bilhões de dólares em vendas e fica com 20% do que é pago em assinaturas aos criadores.