iPhone ou Android: qual smartphone desvaloriza mais em um ano?

Um dos smartphones passa por duas vezes mais depreciação do que o outro no mercado

A piada de "quando sair o iPhone 13 eu compro o 4" parece fazer bastante sentido quando se olham os números relacionados ao smartphone da Apple. Segundo o site BankMyCell, que monitora os preços de troca de celulares, um iPhone desvaloriza duas vezes menos que um Android.

Em 2020, segundo o site, celulares top de linha com o sistema operacional do Google tiveram uma desvalorização de 33,6%, enquanto os aparelhos da maçã desvalorizaram apenas 16,7%.

O Galaxy S20, da sul-coreana Samsung, por exemplo, desvalorizou 34,7%. O iPhone 11, por sua vez, teve uma queda em seu valor de apenas 12,8%. O iPhone 11 Pro é o que mais desvalorizou na linha lançada em 2019, com uma queda de 21,3%. Os smartphones da Samsung comparados no documento passaram por desvalorizações sempre acima de 30%.

Já os celulares da série Pixel, do Google, perdem cerca de 38,4% de seu valor em um ano – sendo que o Pixel 4, também lançado em 2019, lidera a lista dos mais depreciados, com uma queda de 40,5%.

Mas, no mundo todo, as marcas Sony, Motorola e HTC tiveram desempenhos ainda piores – com uma queda de valor de 39,5%, 42,5% e 53% no ano passado inteiro, respectivamente.

Em dois anos, o iPhone pode perder 45,4% de seu valor original de venda, enquanto o Android passa por uma queda de 71,4%. A linha dos smartphones da Apple lançada em 2018, por exemplo, depreciou apenas 23,4% até o final do ano passado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.