Tecnologia

Internet lenta: só uma em cada 10 escolas públicas tem internet com 1 Mbps

Apenas 11% das escolas cumprem a meta de conexão à internet, segundo relatório do Ceptro.br

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 27 de maio de 2024 às 10h47.

Última atualização em 27 de maio de 2024 às 10h47.

Das 137.208 escolas estaduais e municipais do Brasil, 89% estão conectadas à rede, sendo que 62% utilizam a internet para o processo de ensino e aprendizagem, enquanto apenas 29% possuem computadores, notebooks ou tablets disponíveis para os alunos. Aquelas que possuem algum equipamento têm, em média, um dispositivo para cada dez estudantes no maior turno escolar.

Mas o cenário é um pouco mais complicado quando se olha para a velocidade na internet disponibilizada nas escolas conectadas.

De acordo com o estudo “Panorama da qualidade da Internet nas escolas públicas brasileiras”, realizado pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes e Operações (Ceptro.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), das 32.379 escolas com mais de 50 estudantes no maior turno, apenas 3.640 (11%) atingem a meta da Estratégia Nacional de Escolas Conectadas de prover pelo menos 1 Mbps por aluno.

Uma conexão abaixo desse parâmetro inviabiliza atividades que demandam maior banda e menor latência, como streaming de vídeo, dificultando a introdução de novas práticas educacionais com recursos tecnológicos em instituições de Ensino Fundamental e Médio com mais de 50 estudantes no turno de pico.

Apesar da evolução de 2022 para 2023, a média nacional foi de 0,19 Mbps para 0,26 Mbps por aluno. Estados como Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Goiás apresentam as melhores velocidades, em torno de 0,5 Mbps por aluno. Em contraste, Amazonas, Acre e Amapá estão entre os estados com menores velocidades, cerca de 0,1 Mbps por estudante.

Acompanhe tudo sobre:Internet

Mais de Tecnologia

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

Mais na Exame