A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Falha no Excel gerou subnotificação de casos covid-19 no Reino Unido

Quase 16 mil casos confirmados do novo coronavírus não foram reportados por autoridades de saúde da região por uma falha no uso do software

Autoridades de saúde do Reino Unido podem ter divulgado números incorretos da propagação dos casos de covid-19 na região. E isso pode ter ocorrido simplesmente por uma falha no uso do programa de computador Excel. Pelo menos 16 mil casos confirmados do novo coronavírus não foram reportados oficialmente.

De acordo com o Public Health England (PHE), o departamento de saúde pública da Inglaterra, pelo menos 15.841 casos de testes positivos de covid-19, realizados entre os dias 25 de setembro e 2 de outubro não foram somados aos números totais. Os casos afetam as cidades de Liverpool e Manchester diretamente.

A causa do problema ainda está sob investigação. O governo britânico, através de um porta-voz da PHE, informo que tudo se tratou de um problema técnico. “As descobertas iniciais indicam que o problema foi causado porque alguns arquivos contendo resultados de testes positivos excederam o tamanho máximo suportado e, por isso, não foram carregados em um sistema central”, disse o porta-voz para um repórter da BBC.

Dias depois, entretanto, reportagens dos sites The GuardianSky News, e The Daily Mail apontaram que a falha ocorreu no uso incorreto do programa de computador Excel, que organiza dados em planilhas. O software teria atingido sua capacidade máxima de armazenamento de novas informações e, por isso, não conseguiu catalogar novos dados.

O Excel permite catalogar dados em até 1.048.576 linhas diferentes nas versões mais atuais do programa e em 65.536 linhas em versões mais antigas. Os dados, carregados através de arquivos .CSV, teriam ultrapassado estes limites. Não se sabe qual versão do Excel está sendo utilizada pelos órgãos de saúde do Reino Unido.

Essa falha é mais séria do que parece. O Reino Unido adotou um sistema de geolocalização  em que qualquer pessoa pode usar um smartphone para observar pessoas infetadas com o novo coronavírus próximos de sua localização. Como os quase 16 mil casos não foram registrados, eles não apareciam nos mapas.

O caso vem à tona em uma semana delicada para o governo do Reino Unido que enfrenta o aumento no número de casos na região e já cogita a realização de um segundo bloqueio de fronteiras para o conjunto de países. Mesmo assim, o governo do Reino Unido prevê a vacinação contra covid-19 apenas para grupos de risco.

Somente neste fim de semana, nos dias 3 e 4 de outubro, foram 12.782 casos reportados no sábado e 22.961 novos infectados no último domingo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também