Acompanhe:

EUA irão obrigar projetos fraudulentos no Kickstarter a devolver dinheiro de doadores

O primeiro caso de reembolso é de um jogo de tabuleiro que arrecadou 122 mil dólares, mas nunca foi lançado

Modo escuro

Continua após a publicidade
doom (Divulgação)

doom (Divulgação)

G
Gabriel Garcia

Publicado em 11 de junho de 2015 às, 12h44.

A agência do governo dos Estados Unidos que regula o comércio no país (FTC, na sigla em inglês) irá obrigar um projeto fraudulento do Kickstarter a devolver o dinheiro dos doadores. 

Plataformas de crowdfunding como Kickstarter e IndieGogo já arrecadaram mais de 1 bilhão de dólares em doações desde que surgiram, há cerca de cinco anos. Mas, para cada Peeble que dá certo, diversos projetos nunca saem do papel, mesmo tirando muito dinheiro do bolso das pessoas.

Em alguns casos, o fracasso é culpa de circunstâncias alheias a vontade dos desenvolvedores, como crises econômicas ou fortes concorrentes. Mas muitos criadores simplesmente usam o dinheiro arrecadado para fazer outras coisas completamente diferentes do combinado.

É o caso do jogo de tabuleiro The Doom that Came to Atlantic City, que arrecadou 122 mil dólares de 1 246 doadores, mas nunca chegou a ser lançado ou ao menos distribuir as recompensas prometidas a seus apoiadores. A FTC afirmou que, após investigar os criadores do jogo, irá obrigá-los a devolver o dinheiro arrecadado para cada doador.

"Muitos consumidores gostam da oportunidade de participar do desenvolvimento de um produto ou serviço por meio do crowdfunding, e geralmente eles sabem que existem algumas incertezas envolvidas em ajudar algo a começar do zero", diz Jessica Rich, diretora do FTC. "Mas os consumidores devem ser capazes de ter certeza que seu dinheiro realmente será gasto no projeto que eles financiaram", afirma Rich.

No caso do jogo de tabuleiro, uma investigação do FTC descobriu que seu criador Erik Chevalier cancelou o projeto depois de 14 meses, prometendo aos doadores um reembolso que nunca aconteceu. Segundo o relatório do órgão governamental, ele "gastou a maior parte do dinheiro em despesas pessoais como aluguel, mudança, equipamentos pessoais e licenças para um projeto diferente."

A agência ordenou que Chevalier reembolse todas as doações aos apoiadores, o que deve acontecer quando a FTC acabar de investigar se ele ainda tem algum dinheiro para devolver. 

Mas a FTC também deu a entender não irá mandar um projeto devolver o dinheiro a seus doadores apenas porque ele deu errado: "a Comissão irá abrir um processo quando tem 'razão para acreditar' que a lei foi ou está sendo violada". Ou seja, a melhor forma do consumidor não rasgar dinheiro em projetos de financiamento coletivo ainda é investir em produtos ou serviços que ele realmente acredita.

Fonte: FTC

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais