Contra 'andróginos' e 'afeminados', China faz pedido a empresas de jogos

Em documento, governo chinês tenta impedir que os games produzidos por empresas como Tencent e NetEase tenham personagens homens distantes dos ideais do partido comunista

É pejorativo em todos os sentidos, mas documentos oficiais do governo da China, encaminhados para as gigantes do games Tencent e NetEase, na semana passada, pedem que as empresas evitem desenvolver jogos com homens "afeminados" ou "andróginos".

Aprenda sobre investimentos, carreira e inovação sem sair de casa com os e-books gratuitos da EXAME

A medida, que primeiramente focou em programas de televisão da China, se estendeu para a indústria dos jogos. A conversa com a Tencent e a NetEase possuiu como objetivo remover o que autoridades chinesas consideram como "estética anormal" dos jogos.

As duas gigantes possuem no portifólio títulos como League of Legends, Valorant, Legends of Runeterra e Clash of Clans.

Agora, cabe as desenvolvedoras atualizarem os design de personagens que não se encaixem nas qualidades masculinas definidas pelo partido comunista. Além disso, o pedido também inclui a exclusão de conteúdo obsceno e violento, e aquelas tendências prejudiciais à saúde, como adoração ao dinheiro.

Entretanto, não é a primeira vez que as empresas passam por questionamentos do governo da China, que interfere cada vez mais na indústria dos jogos. No fim de agosto, o país passou a limitar o tempo de jovens menores de idade na frente de um videogame.

Com a lei, eles não podem passar mais de três horas de jogo por semana, além de só poder jogar em dias específicos e com limitação de uma hora para cada.

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também