Tecnologia

Acordo do Google e Viacom é marco em processos de copyright

Acordo finaliza sete anos de litígio que testou o alcance de uma lei federal dos Estados Unidos projetada para impedir a pirataria


	YouTube: Viacom acusou o Google de postar seus vídeos no serviço de vídeo sem autorização
 (Flickr.com/thms)

YouTube: Viacom acusou o Google de postar seus vídeos no serviço de vídeo sem autorização (Flickr.com/thms)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de março de 2014 às 16h11.

Nova York - O Google estabeleceu um acordo legal que é um marco entre processos de direitos autorais, no qual a Viacom acusou a empresa de postar seus vídeos no serviço de vídeo YouTube sem autorização.

O acordo finaliza sete anos de litígio que chamou grande atenção de Hollywood, da indústria da música e companhias de Internet, e que testou o alcance de uma lei federal dos Estados Unidos projetada para impedir a pirataria, enquanto permitia que usuários encontrassem entretenimento online.

"Esse acordo reflete o crescente diálogo colaborativo entre nossas duas companhias em oportunidades importantes, e buscaremos trabalhar mais em conjunto", disseram a Google e a Viacom em um comunicado conjunto.

Os termos do acordo não foram divulgados. Não houve pagamentos em dinheiro entre as companhias, disse uma pessoa com conhecimento do assunto que não estava autorizada a discutir os termos do acordo.

Inicialmente, a Viacom havia apresentado um processo de 1 bilhão de dólares contra o Youtube e outros similares em 2007, e eventualmente acusou a unidade do Google de transmitir ilegalmente 79 mil vídeos protegidos por direitos autorais entre 2005 e 2008.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisCopyrightEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleTecnologia da informaçãoViacomYouTube

Mais de Tecnologia

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Mais na Exame