Tecnologia

A Apple está perdida sem Jobs, diz Larry Ellison, da Oracle

Em entrevista à TV americana, Larry Ellison, CEO da Oracle, diz que não gosta de Larry Page, do Google, e que o futuro da Apple sem Steve Jobs é sombrio


	Larry Ellison: elogios calorosos a Steve Jobs e farpas para Larry Page
 (Getty Images)

Larry Ellison: elogios calorosos a Steve Jobs e farpas para Larry Page (Getty Images)

Maurício Grego

Maurício Grego

Publicado em 13 de agosto de 2013 às 15h32.

São Paulo -- Larry Ellison, CEO e fundador da Oracle e quinto homem mais rico do mundo, é conhecido por suas frases nada diplomáticas. Numa entrevista à emissora de TV americana CBS, ele atacou Larry Page, do Google, e deu a entender que, para ele, o futuro da Apple sem Steve Jobs é sombrio.

Ellison era amigo de Jobs e, ao que parece, tinha grande admiração pelo fundador da Apple. Na entrevista à CBS (veja o vídeo no final do texto), o apresentador Charlie Rose pergunta que característica de Jobs permitiu a ele liderar a Apple com tanto sucesso.

Ele era brilhante. Era nosso Edison. Era nosso Picasso. Ele era um inventor incrível, responde Ellison. Rose, então, indaga o que vai acontecer à Apple agora que Jobs não está mais presente.

Nós já sabemos, responde Ellison. Nós vimos. Nós fizemos o experimento. Vimos a Apple com Jobs e sem ele. Vimos a Apple com ele novamente. E, agora, vemos a Apple sem Steve Jobs. Enquanto fala, Ellison gesticula com a mão, assinalando os altos e baixos da Apple. O último movimento é para baixo.

A resposta é clara para quem conhece a história da Apple. Jobs foi importante nos primeiros anos da empresa, mas foi posto para fora em 1985. Sem ele, a Apple passou por um longo período de declínio. Reergueu-se depois de 1994, quando Jobs voltou a comandá-la. 

Ou seja, para Ellison, a Apple está entrando num novo período de declínio como aquele que se iniciou em 1985. Tim Cook e sua equipe não devem ter se sentido lisonjeados com essa declaração, é claro.


Em outro momento na entrevista, Ellison diz estar ressentido com Larry Page, CEO do Google, como relata o noticiário Business Insider. O motivo é o uso da linguagem de programação Java, que hoje pertence à Oracle, em produtos do Google. Em resposta a uma pergunta de Rose, ele diz: Acho que os únicos com quem tenho problemas são os rapazes do Google.

Então você tem problemas com Larry e Sergey?, pregunta Rose. Larry, especificamente, responde Ellison. Por que ele toma as decisões lá. Ele comanda a empresa. Ninguém mais comanda aquela empresa. 

Ellison explica: Quando você escreve um programa para um smartphone com Android, primeiro você usa uma ferramenta da Oracle. Eles usam o Java, da Oracle, para tudo. No final, você pressiona um botão e diz: Converta isto para o formato do Android.

Não competimos com o Google. Não fazemos nenhum produto que o Google também faça. Só achamos que eles pegaram nossas coisas e aquilo foi errado, prossegue ele.

Rose o encoraja a continuar e Ellison diz: Acho que o que eles fizeram é absolutamente maléfico (como se sabe, o slogan do Google é Não seja mau). Mais adiante, Ellison arremata: Isso realmente me incomoda. Não vejo como eles pensam que podem copiar o trabalho de outras pessoas assim. 

Este vídeo mostra o trecho da entrevista (em inglês) em que Ellison fala de Steve Jobs:

//www.youtube.com/embed/GUdYebAN-Fs?rel=0

Acompanhe tudo sobre:AppleEmpresáriosEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleLarry EllisonLarry PageOraclePersonalidadesSteve JobsTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Mais na Exame