Revista Exame

Empreendedora aposta em amor por sapatos e deve faturar R$ 40 mi em 2022

A rede de franquias Milli conta atualmente com receitas de 36 milhões de reais

Renata Marcolino, da Milli: o negócio começou como um bico. Hoje, tem 40 lojas e 40.000 revendedoras (Divulgação/Divulgação)

Renata Marcolino, da Milli: o negócio começou como um bico. Hoje, tem 40 lojas e 40.000 revendedoras (Divulgação/Divulgação)

Mariana Desidério

Mariana Desidério

Publicado em 23 de março de 2022 às 15h00.

A crise de 2015 atingiu em cheio a família da fonoaudióloga Renata Marcolino. Ela trabalhava em dois empregos. O marido dela tinha uma loja de material de escritório em São Paulo. A recessão derrubou o movimento da loja e as finanças da família ruíram. A saída para Marcolino foi vender sapatilhas, seu tipo de calçado preferido. Os acessórios foram a base para a Milli, uma rede de franquias atualmente com receitas de 36 milhões de reais. “Sempre foi difícil encontrar boas sapatilhas com preço justo”, diz ela. No início, faltava dinheiro para abrir uma loja. Daí, Marcolino passou a revender de porta em porta os calçados comprados por ela em lojas de atacado. O negócio deixou de ser um bico quando uma vizinha se ofereceu para ser revendedora. Em questão de meses, a Milli já tinha 13 revendedoras e, com isso, teve fôlego para abrir a primeira unidade na zona leste de São Paulo.

Quer investir na bolsa e não sabe como? Aprenda tudo com a EXAME Academy

Com a expansão, as lojas de atacado deixaram de dar conta da demanda. Por causa disso, a empreendedora fechou parcerias diretamente com as fabricantes de calçados e, hoje em dia, tem uma equipe de design focada em sapatilhas de baixo custo. Pouco tempo depois, a empreendedora passou a ser procurada por pessoas da família, além de alguns desconhecidos, interessados em apostar de alguma maneira no modelo de negócios da Milli. A ideia vingou e, em 2016, a Milli virou uma marca franqueadora. 

Hoje, são mais de 40 unidades espalhadas pelo país, geralmente em áreas pouco ou nada atendidas por concorrentes. Além disso, a marca tem 40.000 revendedoras cadastradas. Em 2022, a expectativa é abrir 12 lojas e faturar 40 milhões de reais. Para Marcolino, a receita para um negócio aberto em meio a dificuldades financeiras é pensar grande desde o início. “Acreditar é fundamental”, diz ela. “Buscar alternativas para alcançar mais pessoas, também.”  


(Publicidade/Divulgação)

Acompanhe tudo sobre:EmpreendedoresEmpreendedorismoModa

Mais de Revista Exame

Swarovski apresenta coleção baseada nos mistérios subaquáticos

Dress watches: IWC apresenta três modelos do Portugieser

Aplicações na adega: o vinho como investimento financeiro

A luta e o recomeço

Mais na Exame