Pesquisa inédita faz um raio X sobre a carreira em finanças

Além de mostrar como está a profissão hoje, o levantamento aponta o destino da profissão no país. Por enquanto, o resultado é um só: há pouca diversidade
Futuro da profissão passará por mudanças na medida em que os profissionais de finanças vão depender cada vez mais de habilidades comportamentais (CSA Images RF/Getty Images)
Futuro da profissão passará por mudanças na medida em que os profissionais de finanças vão depender cada vez mais de habilidades comportamentais (CSA Images RF/Getty Images)
M
Maria Clara Dias

Publicado em 15/07/2021 às 05:12.

Última atualização em 19/07/2021 às 17:37.

A carreira em finanças é, digamos, uma panelinha no Brasil. É o que mostra uma pesquisa feita pela Assetz, consultoria de recrutamento e seleção de líderes financeiros, em parceria com o Insper, que mostra que o desejo das 500 maiores empresas do Brasil é recrutar justamente os antigos talentos da área. Os dados da pesquisa, conduzida com 128 executivos, indicam uma busca por estabilidade, já que as empresas procuram por diretores que já exerciam a mesma posição em companhias anteriores — e preferencialmente no mesmo setor.

Cerca de 75% dos diretores financeiros do Brasil ocupam o mesmo cargo que tinham em empresas anteriores, e a maioria das contratações acontece nos setores em que os profissionais já trabalhavam, ou em similares, especialmente na indústria (70%) e no agronegócio (43%).

“O racional é que as empresas preferem depositar as fichas internamente, em vez de trazer novos nomes do mercado”, diz Felipe Brunieri, sócio-fundador da Assetz. “Isso é um reflexo do interesse em mais expertise e em passar uma mensagem clara de segurança ao mercado.”

A pesquisa também apontou para desafios de diversidade. Somente 11% dos executivos de finanças entrevistados eram mulheres; não havia negros. A mesma busca por estabilidade é o que leva 34,4% dos executivos a enxergar uma posição no conselho administrativo de empresas como a melhor saída para o futuro da carreira.

Na visão de Marcelo Pierri, líder de avaliação e sucessão da Assetz, o futuro da profissão passará por mudanças na medida em que os profissionais de finanças vão depender cada vez mais de habilidades comportamentais, como pensamento estratégico, adaptabilidade e comunicação. “Um bom CFO nada mais é do que também um bom líder. É aquela pessoa que sabe se comunicar, desenvolver seus times e passar a melhor mensagem”, afirma Pierri.  

  • Está na hora de sair do emprego ou vale a pena continuar? Invista na sua carreira. Assine a EXAME.

(Arte/Exame)


(Publicidade/Exame)