Acompanhe:
seloRevista Exame

A região da Borgonha, na França, é sinônimo de prestígio e excelência quando o assunto é vinho. Seus vinhedos produzem alguns dos rótulos mais cobiçados e caros do mundo. Mas, afinal, quanto vale 1 hectare (pouco mais que um campo de futebol) nesse terroir repleto de história e tradição vinícola?

Em uma visita recente à Borgonha, tive a oportunidade de fazer essa pergunta a diversos produtores. Para compreender melhor as respostas que me foram apresentadas, é preciso entender, antes de mais nada, que cada hectare na Borgonha é mais do que apenas um pedaço de solo; é uma parcela (limitadíssima) de um legado enológico que remonta a séculos de história.

Grandes operações

Alguns eventos marcantes ocorridos nos últimos anos no mundo dos negócios envolvendo vinícolas ajudam a contextualizar as fascinantes narrativas desses viticultores. Em 2014, o Grupo LVMH desembolsou impressionantes 101 milhões de euros para adquirir o lendário Clos de Lambrays, uma joia de 8,7 hectares em Morey Saint Denis. Outro marco ocorreu em 2017, quando Stan Kroenke, proprietário do icônico Screaming Eagle do Napa Valley, comprou 11 hectares da Bonneau do Martray situados em Corton. O preço? A cifra extraordinária de 200 milhões de euros.

Transações desse porte sem dúvida estabeleceram novos parâmetros no mercado de vinhos. Além disso, a crescente demanda por vinhos da Borgonha verificada no período pós-pandemia ajudou ainda mais a elevar os preços.

Um produtor me contou que recentemente investiu em terras na ascendente Maranges pelo valor de 150.000 euros por hectare. Sua lógica intrigante reside no fato de que, se tivesse comprado terras em Meursault, região de maior prestígio, levaria cerca de 150 anos para recuperar o investimento. Ele destacou o exemplo de um último hectare de um vinhedo Meursault Premier Cru, o qual foi vendido por exorbitantes 6 milhões de euros.

Outro fato curioso que alguns produtores compartilharam é que, caso eles pensassem apenas em uma relação risco-retorno, o melhor negócio a ser feito seria vender as uvas por eles cultivadas aos negociantes, os quais ficariam responsáveis por todo o processo de vinificação e comercialização dos vinhos. Mesmo podendo ser economicamente mais vantajoso, muitos produtores são resistentes a esse caminho diante do desejo de manter e expandir o legado e a história de suas famílias.

Além disso, os produtores revelaram que o governo local tenta conter a expansão desenfreada de grandes grupos na região, especialmente estrangeiros, mas há estratégias para contornar essa barreira, como o aluguel de terras para esses empresários, combinado com um direito de compra após um período determinado.

Assim, há um conjunto de fatores que tem levado os preços do hectare na Borgonha a aumentos ainda maiores. A possibilidade de produzir história em forma de um objeto desejado mundialmente e em quantidades limitadas pela natureza é muito valorizada. Ou, como ensinam na Academia, a demanda “puxa para cima” o preço do ativo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Sentia: a bebida sem álcool que promete a 'sensação dos drinks', mas sem efeitos de ressaca
seloRevista Exame

Sentia: a bebida sem álcool que promete a 'sensação dos drinks', mas sem efeitos de ressaca

Há 4 semanas

No mundo, quem anda de veículo elétrico, provavelmente anda de moto
seloRevista Exame

No mundo, quem anda de veículo elétrico, provavelmente anda de moto

Há 4 semanas

Os planos do Sicredi para chegar aos 10 milhões de associados até 2025
seloRevista Exame

Os planos do Sicredi para chegar aos 10 milhões de associados até 2025

Há 4 semanas

Desafio glacial: Montblanc testa seu novo relógio em maratona na Antártida
seloRevista Exame

Desafio glacial: Montblanc testa seu novo relógio em maratona na Antártida

Há 4 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais