Revista Exame

MELHORES E MAIORES 50 anos: Ambev é destaque histórico com inovação e ambição global

Cervejaria transformou o mercado brasileiro e deu origem ao gigante que lidera o mercado global

Ambev: capacidade de lidar com a volatilidade é uma marca da companhia (Heudes Regis/Exame)

Ambev: capacidade de lidar com a volatilidade é uma marca da companhia (Heudes Regis/Exame)

Lucas Amorim
Lucas Amorim

Diretor de redação da Exame

Publicado em 14 de setembro de 2023 às 06h00.

Última atualização em 14 de setembro de 2023 às 06h53.

A Ambev é uma cervejaria que tem pessoas como ponto central de sua estratégia. Esse é um dos ingredientes de seu sucesso no longo prazo, segundo o CEO da empresa, Jean Jereissati. A companhia, dona de marcas como Skol e Stella -Artois, é a empresa de alimentos e bebidas que mais vezes foi a campeã de seu setor em -MELHORES e MAIORES, da -EXAME. Foram dez conquistas, entre 1979 e 2002.

“Quando convidamos novas pessoas para trabalhar conosco ou fechamos parcerias com nosso ecossistema, sempre pensamos no longo prazo”, diz Jereissati. “E isso nos ajudou muito a transformar nosso negócio e a impactar positivamente a realidade das pessoas e do nosso ecossistema.”

A companhia transformou o mercado de cervejas no Brasil e no mundo. Em 2022, faturou 79,7 bilhões de reais por aqui. E é reconhecida como a base de uma cultura de gestão que chegou a companhias globais, como a AB InBev e a Kraft Heinz. Tem como pontos centrais a meritocracia, o senso de dono e a busca por eficiência.

São características importantes ao lidar com uma certeza para quem faz negócios no Brasil ao longo das décadas, como destaca Jereissati: a volatilidade. “A Ambev é uma multinacional brasileira com atuação na América, principalmente na América Latina. E a América Latina é volátil”, diz. “Já passamos por diferentes momentos sociais, por diversos ciclos econômicos. Foram e são muitos desafios. Por isso, o importante é nos mantermos consistentes para navegar em um ambiente que muda o tempo todo.”

Nos primeiros anos de seu protagonismo no mercado brasileiro, o foco estava na eficiência operacional. Depois, nos anos 1990, na ampliação da capacidade, sobretudo com a fusão de Brahma e Antarctica, em 1999. Na sequência, veio a expansão internacional, que se consolidou no século 21. Mais recentemente, explica Jereissati, o foco está em ampliar a atuação.

“Investimos muito em P&D e nos tornamos uma plataforma de inovação, que vai desde novas marcas até novos serviços, como o Zé Delivery e o Bees. Atualmente, estamos investindo muito em tech”, afirma.

A companhia também está indo além de sua zona de conforto ao investir, por exemplo, no mercado de vinhos. Os tempos de liderança e conforto com marcas “arrasa-quarteirão” ficaram para trás. Para manter-se líder num setor em constante transformação, a Ambev investe como nunca.

Acompanhe tudo sobre:MM2023Ambev

Mais de Revista Exame

Nove itens essenciais para equipar a sua adega

De Ferraz de Vasconcelos a Seattle

Vira-latismo

Venda de vinhos premium no Brasil escapa de crises e deve crescer

Mais na Exame