Acompanhe:
seloRevista Exame

Conselhos que vêm de Cambridge para Eduardo Campos

Um dos principais colaboradores de Eduardo Campos nas propostas econômicas da campanha presidencial é um desconhecido ilustre: o professor da Universidade de Cambridge Tiago Cavalcanti

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tiago Cavalcanti, no Insper: o professor da Universidade de Cambridge visitou a escola de negócios paulistana, em junho (Fabiano Accorsi/EXAME)

Tiago Cavalcanti, no Insper: o professor da Universidade de Cambridge visitou a escola de negócios paulistana, em junho (Fabiano Accorsi/EXAME)

D
Daniel Barros

Publicado em 30 de junho de 2014 às, 14h36.

Cambridge - Desde 2007, o pernambucano Tiago Cavalcanti, de 40 anos, é professor de desenvolvimento econômico na prestigiada Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Ele estudou economia na Universidade Federal de Pernambuco, o mesmo curso do presidenciável Eduardo Campos.

Na década de 90, ambos foram convidados para o doutorado na Universidade de Illinois Urbana Campaign, nos Estados Unidos. Cavalcanti foi, Campos não. Anos depois, no fim de 2013, tiveram um almoço que durou 6 horas. Na ocasião, Cavalcanti decidiu ajudar no projeto político do conterrâneo.

Hoje, dedica-se a reunir ideias e economistas para um possível governo do PSB. Ele recebeu EXAME na Trinity College, a principal faculdade de Cambridge e onde fica seu escritório.

EXAME - Qual é sua avaliação sobre o momento da economia brasileira? 

Tiago Cavalcanti - O Brasil tem claramente um problema de oferta. Não falta demanda. Vemos os investidores ávidos por colocar dinheiro no país, mas o governo não sabe o que fazer para manter um ambiente atrativo para eles, não faz o diagnóstico certo. Um exemplo foi a redução das tarifas de energia elétrica.

A ideia era baratear os custos das empresas para torná-las mais competitivas. Deu errado. Houve um forte estímulo ao crescimento no consumo de energia num momento em que se necessitava de mais geração.

Pior: ao mudar abruptamente os contratos preestabelecidos na área de geração de energia, o governo desestimulou investidores, que passaram a temer mudanças a qualquer momento.

EXAME - Que tipo de ajuste fiscal o senhor crê que precisará ser feito em 2015?

Tiago Cavalcanti - Vários pontos precisarão ser atacados, mas gostaria de chamar a atenção para um deles em particular. O salário mínimo não pode continuar a ter aumentos reais muito acima da inflação, seguindo a fórmula atual em que o reajuste leva em consideração a soma da inflação com a média de crescimento do PIB dos dois últimos anos.

O Brasil tem um nível de investimento público muito baixo — menor do que o da Inglaterra, que teoricamente é um país que já construiu a maior parte da infraestrutura de que precisa.

No Brasil, praticamente todo o crescimento econômico é despejado em aumento real de salário, em vez de ser direcionado para os investimentos. Além disso, vários benefícios públicos são indexados ao salário mínimo, e os aumentos excessivos pressionam as contas do governo.

EXAME - Campos propõe aumentar os valores do Bolsa Família e expandir seu alcance. Isso não pode gerar mais inflação?

Tiago Cavalcanti - A pressão do Bolsa Família sobre a inflação é pequena. O programa beneficia 15 milhões de famílias e custa 0,5% do PIB. É o tipo de política pública que funciona como investimento porque pessoas bem nutridas são mais produtivas.

O indiano Amartya Sen, que liderou a Trinity College e ganhou um Prêmio Nobel de Economia, fez vários estudos relacionando a nutrição adequada na infância a melhor desempenho intelectual dos indivíduos.

EXAME - Muitos criticam a presidente Dilma Rousseff por seu governo não ter uma marca, como a estabilidade para FHC e a redução da desigualdade para Lula. Que marca o próximo governo deve almejar?

Tiago Cavalcanti - O ideal seria almejar duas grandes marcas. A primeira: prioridade ao desenvolvimento do capital humano. Os últimos governos evoluíram nisso, mas dá para intensificar o ritmo. E a segunda e principal é repensar o Estado. O Brasil tem gastos de país desenvolvido, mas oferece serviços de país pobre.

É preciso melhorar a gestão, reduzindo o número de indicações políticas. Hoje, não há avaliação de desempenho na maioria dos órgãos públicos nem incentivo para que os servidores sejam mais produtivos. E não é possível demitir um funcionário incompetente. O Sistema Único de Saúde é fundamental, mas desperdiça muitos recursos.

Não é só uma questão de tamanho do orçamento, mas sim de como o dinheiro é administrado. O Reino Unido aplica 9% do PIB em saúde, e a maior parte é pública. Obtém resultados muito melhores do que os Estados Unidos, que gastam 18%.

EXAME - Mas tudo isso requer uma mudança institucional profunda.

Tiago Cavalcanti - Haverá greves nas ruas, gente lutando contra. Acredito que o governante disposto a enfrentar o problema deva começar com mudanças marginais para melhorar a gestão, sinalizando a disposição de transformar o setor público. E depois partir para reformas mais profundas.

EXAME - O senhor voltaria ao Brasil para compor um possível governo Campos?

Tiago Cavalcanti - Tenho interesse em contribuir com o governo, mas minha vida profissional está aqui no Reino Unido. Porém, se fosse convidado para uma missão no primeiro escalão, seria difícil recusar.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 8 horas

Fazenda avalia crescimento do PIB na margem do esperado e vê indústria com otimismo
Economia

Fazenda avalia crescimento do PIB na margem do esperado e vê indústria com otimismo

Há 14 horas

Iranianos votam em legislativas com os conservadores como favoritos
Mundo

Iranianos votam em legislativas com os conservadores como favoritos

Há 16 horas

PIB de 2023 deve superar — e muito — as estimativas iniciais do mercado; veja o que esperar
Economia

PIB de 2023 deve superar — e muito — as estimativas iniciais do mercado; veja o que esperar

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais