Revista Exame

Conheça os melhores fundos de multimercado long&short e equity hedge em 2022

Ibiuna foi a vencedora dessa categoria do Melhores do Mercado, da EXAME; leia o depoimento dos gestores à frente dos 3 fundos premiados

Victor Schabbel, Bernard Holcman, João Borges, André Lion, André Silveira e Gustavo Allevato, da Ibiuna: 2,3 bilhões de reais sob gestão no fundo Long & Short (Germano Lüders/Exame)

Victor Schabbel, Bernard Holcman, João Borges, André Lion, André Silveira e Gustavo Allevato, da Ibiuna: 2,3 bilhões de reais sob gestão no fundo Long & Short (Germano Lüders/Exame)

Publicado em 22 de março de 2023 às 06h00.

A Ibiuna foi a vencedora da categoria fundos multimercado long & short e equity hedge na premiação Melhores do Mercado da EXAME, relativa ao ranking mais tradicional da indústria de fundos de investimento do país. A gestora foi premiada com o fundo Ibiuna Long Short STLS em ranking elaborado pelo BTG Pactual (do mesmo grupo que controla a EXAME), partindo de uma metodologia definida pela EXAME com a ajuda de especialistas em investimentos. Na segunda colocação ficou o fundo  Sharp Long Short 2x, da Sharp e Navi Long Short, da Navi.

Veja abaixo os depoimentos em primeira pessoa dos gestores à frente dos três fundos premiados da categoria, em que eles contam as estratégias e as decisões de alocação tomadas em 2022 e 2021, além da visão para o ano de 2023:

1o Ibiuna investimentos

“Com 2,3 bilhões de reais sob gestão, nosso fundo Long & Short está fechado para captação de recursos desde o ano passado. É o maior da indústria, quando olhamos a questão da neutralidade. Nosso objetivo é sempre tentar tirar o risco de mercado o máximo possível. Para isso funcionar, precisamos respeitar o desenvolvimento do mercado brasileiro. A indústria de short se desenvolveu em um ritmo bem mais lento aqui. Fechamos o fundo, pela primeira vez, com 500 milhões de reais. Depois o reabrimos, levamos a 1 bilhão de reais, e fechamos de novo. E isso se repetiu até 1,5 bilhão de reais, e depois até 2 bilhões de reais. Estamos trabalhando e aprendendo com o desenvolvimento do mercado há quase dez anos.”

André Lion, CIO e gestor da estratégia de ações da Ibiuna Investimentos, e Caio Santos, sócio e responsável pela área de relacionamento com investidores


2o Sharp Capital

A gestora não quis comentar a estratégia do fundo.


3o Navi

“Os mercados globais de ações têm uma tendência de reprecificação por causa da elevação da taxa de juro nos Estados Unidos, que é o centro financeiro global e influencia o cenário para ativos de risco em todos os lugares do mundo. No entanto, esse caminho é errático. Alguns acreditam, por exemplo, que o FED não vai permitir nenhuma dor na economia real dos Estados Unidos e fará o que for para reverter uma recessão, inclusive adotar uma política monetária menos contracionista do que a atual. Ou seja, a direção [de alta] está dada, mas o meio do caminho ainda é incerto. Para lidar com o cenário, somos muito ativos na gestão de caixa e hedge. Não ficamos vendidos e esperamos o ano acabar, e acredito que esse foi um dos diferenciais do fundo em 2022. São ativos que têm bastante liquidez, que operamos com uma frequência muito maior do que a nossa carteira de ações. Para este ano, nossas principais posições em ações são Itaú Unibanco, Equatorial Energia e Petrobras.”

Waldir Serafim, sócio e co-CIO de renda variável da Navi


TOP 10 (Listados em ordem alfabética)
Ibiuna Long Short STLS
Itaú Hunter Total Return
Moat Capital Equity Hedge
Navi Long Short
Neo Argo Long & Short
Occam Equity Hedge
Sharp Long Short 2x
Solana Equity Hedge
Solana Long & Short
Truxt LS

Acompanhe tudo sobre:Revista EXAME

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

Conheça o castelo na França exclusivo para convidados da Moët & Chandon

Mais na Exame