Acompanhe:
seloRevista Exame

Oncoclínicas: a saúde vai além da covid-19

Diagnósticos tardios de câncer são um risco em meio à pandemia do coronavírus, alerta o fundador do Grupo Oncoclínicas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Bruno Ferrari, da Oncoclínicas: 60.000 pacientes em tratamento em meio à quarentena (Imagem/Divulgação)

Bruno Ferrari, da Oncoclínicas: 60.000 pacientes em tratamento em meio à quarentena (Imagem/Divulgação)

L
Lucas Amorim

Publicado em 21 de maio de 2020 às, 05h00.

Última atualização em 12 de fevereiro de 2021 às, 13h02.

Centrar esforços no combate à pandemia do coronavírus é evidentemente uma necessidade. Mas a força-tarefa, que envolve governo e empresas, tem um efeito colateral perverso: pode deixar outras doenças em segundo plano. Um levantamento feito pelas sociedades brasileiras de patologia e de cirurgia oncológica mostrou que, até meados de maio, cerca de 50.000 brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer.

É um desafio enorme para o Grupo Oncoclínicas, líder no tratamento de câncer na América Latina. Criada em 2010 pelo médico oncologista Bruno Ferrari com um grupo de oito colegas, a companhia já tem 65 unidades no Brasil e reúne 850 médicos. Atende, todos os anos, mais de 200.000 pacientes. Para a Oncoclínicas, o efeito mais deletério da pandemia é o adiamento de novos diagnósticos. “Podemos ter uma onda de tratamentos tardios no Brasil quando esta pandemia passar”, afirma Ferrari.

Os pacientes em tratamento — são 60.000 atualmente — passaram a ser acompanhados por medicina diagnóstica, mas não deixaram de ir pessoalmente às unidades. Para isso, foi necessário um reforço na comunicação com pacientes e familiares. Como medida preventiva, a Oncoclínicas já tinha 100 dias de equipamentos de emergência em estoques descentralizados, cuidado que se mostrou essencial neste momento.

Para Ferrari, a maior lição do coronavírus é a importância da informação — sem ela, o diagnóstico e o tratamento ficam aquém do desejado, como se vê com a covid-19 mundo afora. “Como é ruim não conhecer uma doença. Temos tratado pacientes de covid-19 com experiências quase anedóticas em alguns momentos”, diz Ferrari.

Uma das prioridades da companhia nos próximos anos é justamente investir em diagnósticos cada vez mais precisos e individualizados, com mapeamento do genoma. De acordo com Ferrari, para oferecer um tratamento mais eficiente — contra o câncer e contra novas doenças —, a parceria entre empresas concorrentes e entre o setor público e o privado será cada vez mais importante. Essa é outra lição que a pandemia deixa.

Últimas Notícias

Ver mais
Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias
Brasil

Anvisa proíbe venda de álcool 70% em supermercados e farmácias

Há uma semana

Cerca de 70% dos brasileiros não conhecem o potencial de gravidade da gripe, diz pesquisa
Brasil

Cerca de 70% dos brasileiros não conhecem o potencial de gravidade da gripe, diz pesquisa

Há uma semana

Negociações na OMS sobre acordo para futuras pandemias ainda enfrentam obstáculos
Mundo

Negociações na OMS sobre acordo para futuras pandemias ainda enfrentam obstáculos

Há 2 semanas

Anderson, vocalista do Molejo, é internado em estado grave
Pop

Anderson, vocalista do Molejo, é internado em estado grave

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais