Acompanhe:
seloRevista Exame

Dados e Ideias | A receita dos times de futebol bateu no teto?

Após quatro anos de crescimento consistente, o faturamento das 24 maiores equipes de futebol do país ficou estagnado em 2018

Modo escuro

Continua após a publicidade
Partida entre Palmeiras e Flamengo: os dois clubes lideram o ranking de faturamento | Ricardo Moraes/Reuters

Partida entre Palmeiras e Flamengo: os dois clubes lideram o ranking de faturamento | Ricardo Moraes/Reuters

A
André Jankavski

Publicado em 9 de maio de 2019 às, 05h10.

Última atualização em 24 de julho de 2019 às, 16h55.

No jargão futebolístico, a expressão “tocar a bola de lado” remete a um time que não está tão interessado em buscar um resultado melhor. Essa metáfora explica bem o atual momento financeiro dos clubes brasileiros: após quatro anos de crescimento consistente, um levantamento feito pela consultoria EY apontou que a soma do faturamento das 24 maiores equipes do país ficou estagnada em 5,4 bilhões de reais em 2018.

A liderança está com o clube paulistano Palmeiras, seguido pelo carioca Flamengo. Mas, se as receitas originadas da venda de atletas forem retiradas dessa conta, a situação piora: houve queda de 8% na média. Com isso, uma dúvida surge: os clubes chegaram ao limite de crescimento? “Existe uma demanda reprimida, mas os clubes precisariam mudar a forma de pensar o que é o produto futebol”, diz Pedro Daniel, líder de esportes da EY. Um dos pontos seria a forma de se comunicar com os torcedores, especialmente nas redes sociais, além da oferta de produtos e serviços que agreguem vantagens aos adeptos.

Outro fator que chama a atenção é o nível de endividamento, que aumentou. A pior situação é a do Botafogo, cuja dívida equivale a quatro vezes a receita. Para Daniel, a relação entre dívida e receita não deveria ser mais do que duas vezes.


BANCOS

O risco da falta de talentos

Agência bancária: a inovação depende da atração de profissionais | Marcela Beltrão/Milenar

Se até um tempo atrás conseguir um emprego em um banco era o sonho de muitos jovens, agora, com a proliferação das startups, a nova geração apresenta outras ambições quando o assunto é carreira. Não é para menos que 80% dos banqueiros dizem estar preocupados com a falta de talentos: eles temem que isso afete o crescimento e a capacidade de inovar de suas instituições.

Essa é a conclusão de uma pesquisa da PwC com 235 presidentes de empresas do setor bancário em todo o mundo. “Está difícil para o setor financeiro atrair pessoas com conhecimento tecnológico e capacidade de trabalhar em equipe”, afirma Álvaro Taiar, sócio e líder de serviços financeiros da PwC.

Últimas Notícias

Ver mais
Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais
seloMarketing

Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais

Há 14 horas

Jogos de hoje, sexta-feira, 12, onde assistir ao vivo e horários
Esporte

Jogos de hoje, sexta-feira, 12, onde assistir ao vivo e horários

Há um dia

Jogador leva chicotada após perder final para time de Neymar e Jesus; veja vídeo
Esporte

Jogador leva chicotada após perder final para time de Neymar e Jesus; veja vídeo

Há um dia

Tem dívidas? Mutirão dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento; veja como participar
seloMinhas Finanças

Tem dívidas? Mutirão dá desconto em taxa de juros e aumenta prazo de pagamento; veja como participar

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais