Acompanhe:
seloRevista Exame

Mercado de insumos agrícolas biológicos segue à prova de adversidades

Mesmo sem legislação no país, mercado de insumos agrícolas baseados em fungos e bactérias se coloca como alternativa aos químicos e cresce no país

Modo escuro

Continua após a publicidade
Produção de soja no Brasil: um campo fértil para os bioinsumos (Sergio Ranalli/Pulsar)

Produção de soja no Brasil: um campo fértil para os bioinsumos (Sergio Ranalli/Pulsar)

M
Murilo Bomfim

Publicado em 12 de setembro de 2019 às, 05h36.

Última atualização em 8 de junho de 2020 às, 14h22.

Expoente entre os unicórnios de tecnologia agrícola, a empresa Indigo Agriculture nasceu há quatro anos e meio em Boston, nos Estados Unidos. Com um produto visível apenas com o uso de microscópio, a Indigo cresce a olhos vistos. Desde a fundação, já recebeu mais de 300 milhões de dólares e estima-se que o valor de mercado esteja no patamar de 3,6 bilhões. Logo no segundo ano de vida, a Indigo chegou ao Brasil com seu arsenal de microrganismos capazes de melhorar a resistência de culturas como milho, algodão e soja a pragas e também micronutrientes como vitaminas e minerais aplicados diretamente nas sementes.

Por aqui, a empresa deparou com um mercado gigantesco em potencial. Mas, ao mesmo tempo, com um entrave: a burocracia. Com 12 produtos disponíveis nos Estados Unidos, por enquanto há apenas dois aprovados no Brasil — outros três aguardam na fila há pouco mais de um ano. “Na Argentina, onde também atuamos, temos cinco produtos aprovados em três anos”, diz Dario Maffei, diretor-geral da filial brasileira da empresa.

Assim como a Indigo, uma geração de novas empresas estrangeiras e nacionais vive a mesma contradição. Elas são protagonistas de uma nova fronteira no campo, a dos bioinsumos, categoria que contempla, por exemplo, defensivos e fertilizantes de origem biológica, com o uso de fungos e bactérias. Em todo o mundo, trata-se de um mercado novo e pujante. Segundo a consultoria Mordor Intelligence, as vendas globais de biodefensivos no ano passado somaram 3,1 bilhões de dólares, o equivalente a 6,4% do mercado total de defensivos agrícolas. E devem crescer 14% ao ano até 2024, ante apenas 3% do mercado total.

Na América do Sul, as vendas desses produtos chegaram a 291 milhões de dólares em 2018, com projeção de crescimento de 16,4% por ano nos próximos cinco anos. Parte desse fôlego vem do impacto que os bioinsumos têm causado na produtividade de commodities, muitas vezes no mesmo patamar dos agrotóxicos e com preços em geral semelhantes.

Isso vem despertando o interesse dos produtores convencionais, além dos dedicados aos orgânicos. A lógica da exploração de fontes biológicas na agricultura reside na influência que as bactérias e  os fungos exercem nas plantas, um fato já chancelado pela ciência, mas com grande potencial de crescimento e desenvolvimento. Aplicados de forma adequada, os microrganismos auxiliam a planta na absorção de nutrientes, e isso aumenta a resistência a pragas e a estresses climáticos, como seca e calor.

As vantagens se estendem ao ambiente, já que os biológicos não impactam a água e os alimentos da forma como os químicos o fazem atualmente. As possibilidades são tantas que startups têm surgido com saídas até mesmo curiosas para atender às demandas do campo. A belga AgroSavfe, por exemplo, aplicou em lhamas um componente encontrado em fungos. Como resposta natural, as lhamas desenvolveram anticorpos, que a startup usa como fungicidas para combater doenças em diversas culturas.

Por falta de uma legislação específica no Brasil, no entanto, o processo de aprovação da maioria desses produtos acaba por seguir o trilhado pelas opções de origem química, que oferecem potencialmente mais riscos ao meio ambiente e à saúde humana. A espera por um aval chega a demorar cinco anos, dificultando o lançamento de produtos por empresas de menor porte.
O problema virou o foco, em abril, de um grupo de trabalho no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que prepara o lançamento, até o fim deste ano, de um programa de bioinsumos. “A ideia é analisar as regulamentações, as especificidades dos produtos de origem biológica e as políticas de incentivo, entre outras ações, para ampliar e fortalecer o setor no Brasil”, afirma Mariane Vidal, pesquisadora da estatal de pesquisas no agronegócio Embrapa e coordenadora do grupo de trabalho do programa.
A iniciativa ainda é incipiente: uma de suas primeiras ações é a definição do conceito de bioinsumo. A princípio, o programa deve trabalhar com dez eixos, entre eles produtos fitossanitários, fertilizantes, produtos veterinários, nutrição animal e produção aquícola. Cada um desses eixos terá linhas como a definição de um marco regulatório e a criação de políticas de crédito.
Laboratório da Indigo, em Boston: produtos na fila de aprovação para venda no Brasil | Divulgação

À espera de certificação

Enquanto isso, as startups têm de lidar com as adversidades, como o investimento exigido para regulamentar os bioinsumos. É o caso da Ambiento Biotec, startup ligada à agência de inovação da Universidade Estadual de Londrina. Há cinco anos, a empresa tem, já desenvolvido, um composto de quatro moléculas que auxiliam na produção agrícola. O produto parte da bactéria Pseudomonas aeruginosa e tem ação fungicida e bactericida, além de estimular o crescimento e a resistência das plantas.

Usado em soja, teve bom desempenho aplicado isoladamente, mas apresentou maior eficácia quando associado a defensivos químicos. “Os testes que fizemos em soja mostram um aumento de 1.000 sacas por hectare”, diz Galdino Andrade, pesquisador da Ambiento Biotec. Apesar de ser promissora, a alternativa não está no mercado  e não deve ser comercializada tão cedo — encontra-se no processo para obter a certificação. “Para aprovar um defensivo biológico, os órgãos responsáveis pedem exames toxicológicos que podem passar de 1 milhão de reais.”

Investidores têm bancado o risco. Na brasileira Gênica, o investimento de 6  milhões de reais utilizado para impulsionar o negócio veio no ano passado da gestora de capitais SP Ventures, especializada em startups das áreas financeira, de saúde e agropecuária. A empresa fundada em 2015 pelo empreendedor Fernando Reis oferece produtos não apenas baseados em agentes biológicos mas também com a aplicação de compostos que estimulam mecanismos naturais de defesa do vegetal aplicados diretamente nos genes das plantas.

Apenas no caso dos biodefensivos, a empresa que requer a autorização de venda pode escolher entre seguir a trilha dos químicos e a dos orgânicos, e conseguir uma aprovação em oito meses. Mas a lei exige que, no segundo caso, a empresa torne as cepas públicas, algo que pode acarretar uma desvantagem competitiva — e não acontece em outros países. Entre uma opção ruim e outra pior, parte expressiva dos biodefensivos ainda segue o caminho dos químicos. Até maio deste ano 111 produtos biológicos foram registrados pela via convencional, ante 107 registrados pela via dos orgânicos.

Mesmo superada a etapa de criar uma legislação específica, segundo especialistas, ainda haverá outro entrave histórico. “O maior problema é a falta de gente”, diz Francys Vilella, diretora da consultoria de regulamentações para o agronegócio Cesis. Tereza Cristina Saminêz, técnica do Serviço de Especificações de Referência do Ministério da Agricultura, confirma que, ao lado de outra colega, ela forma a dupla responsável pela análise de 212 processos de registro.

Últimas Notícias

Ver mais
'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio
Tecnologia

'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio

Há 20 horas

Porto de Paranaguá dobra para 3,2 milhões de toneladas exportação de soja para China no 1º tri
EXAME Agro

Porto de Paranaguá dobra para 3,2 milhões de toneladas exportação de soja para China no 1º tri

Há um dia

Produção de cana-de-açúcar em 2023/24 atinge novo recorde de 713,2 milhões de t
EXAME Agro

Produção de cana-de-açúcar em 2023/24 atinge novo recorde de 713,2 milhões de t

Há 3 dias

Agrishow 2024 deve movimentar R$ 621 milhões e atrair 200 mil visitantes, revela estudo
EXAME Agro

Agrishow 2024 deve movimentar R$ 621 milhões e atrair 200 mil visitantes, revela estudo

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais