PME

Qual a diferença entre investidor anjo, seed e venture capital?

Conheça os diversos tipos de capital de risco disponíveis para empreendedores brasileiros

Casos de "insider information" podem ser punidos com prisão (Stock.xchng)

Casos de "insider information" podem ser punidos com prisão (Stock.xchng)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de março de 2011 às 06h12.

Qual a diferença entre investidor anjo, seed e venture capital?
Respondido por Yuri Gitahy, especialista em startups

São Paulo - Existem diversos estágios de venture capital - ou capital de risco - disponíveis para startups brasileiras. Conheça os principais e avalie qual é mais adequado para o seu negócio:

1) Angel money: os investidores-anjo procuram empresas nascentes, algumas até mesmo no campo das ideias. Eles normalmente investem entre R$ 50 mil até R$ 500 mil em startups próximas - de parentes, amigos, conhecidos ou na sua cidade - e tentam vender sua parte para investidores maiores.

2) Seed capital: é a primeira camada de investimento acima do investidor anjo, indo normalmente de R$ 500 mil a R$ 2 milhões no Brasil. Normalmente, para diluir seu risco e diversificar sua carteira, os investidores de capital semente montam fundos que captam de vários investidores, e assim conseguem aportar capital em mais empresas e maximizarem suas chances de acertarem em cheio. As empresas que eles procuram já possuem clientes, produtos definidos, mas ainda dependem de investimento para expandirem o consumo e se estabelecerem no mercado.

3) Venture capital: o termo VC vem dessa camada, e é normalmente usado para descrever todas as classes de investidores de risco. Mesmo assim, os fundos de venture capital brasileiros investem entre R$ 2 milhões e R$ 10 milhões em empresas que já faturam alguns milhões. Seu objetivo é ajudá-las a crescer e fazer uma grande operação de venda, fusão ou abertura de capital no futuro.

4) Private equity: fundos de private equity são responsáveis pelas operações de fusões e vendas em grandes empresas, que normalmente faturam mais que R$ 100 milhões anualmente. Nesse estágio, os investimentos envolvem quantias bem maiores que os R$ 10 milhões do VC, e por isso os investidores costumam trabalhar com empresas de capital aberto ou prestes a abrirem seu capital.

Quando um investidor se refere a uma startup "early stage", ela provavelmente não tem um produto com receita e precisa de capital semente ou de anjos. Quando se fala "growth stage", trata-se de uma empresa que já tem alguns milhões em receita mas precisa de capital para alavancar seu crescimento - ou seja, ela provavelmente irá procurar um venture capital.

Se você está montando uma startup agora e pensa em abordar um investidor, lembre-se de focar em angels e nos fundos que trabalham com seed money. Essa informação está sempre presente no site do investidor ou mesmo nas notícias disponíveis sobre ele. Faça uma pesquisa bem feita.

 

Yuri Gitahy é investidor-anjo, conselheiro de empresas de tecnologia e fundador da Aceleradora, que apoia startups com gestão e capital semente

Envie suas dúvidas sobre startups para examecanalpme@abril.com.br.


Acompanhe tudo sobre:Capital sementedicas-de-empreendedorismodicas-para-seu-negociofinanciamentos-para-pequenas-empresasInvestidor-anjoStartups

Mais de PME

Mais na Exame