Acompanhe:

Pequenas empresas ainda aproveitam bom momento econômico

Mesmo com os ajustes anunciados pelo governo, como corte de gastos e e alta de juros, crescimento em 2010 deve ficar em 6%

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

C
Clara Favilla, da Agência Sebrae de Notícias

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h34.

Brasília - Assim como as medidas anticíclicas tomadas em 2008 e 2009 permitiram ao Brasil escapar da recessão provocada pela crise financeira global, as mais recentes vão calibrar o crescimento para níveis compatíveis com a infra-estrutura existente e investimentos programados pelo setor público e o privado.

A avaliação é do diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, ao comentar a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,7% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao último trimestre de 2009. Em comparação ao mesmo período do ano passado, a variação foi de 9%, a maior desde 1996.

Segundo o diretor, medidas anticíclicas, como a redução de impostos, não podem ser mesmo permanentes porque têm custo fiscal. Além disso, o governo federal anunciou corte de gastos e o Banco Central promove um novo ciclo de ajustes para cima das taxas de juros. A política fiscal e a monetária estão andando juntas. É melhor para o país taxas de crescimento menos exuberantes, mas consistentes.

Mesmo com as recentes medidas de contenção do crescimento, a variação do PIB este ano pode chegar a 6%, patamar excelente considerando-se a média em torno de 2% verificada nos anos 90. Do ponto de vista das micro e pequenas empresas a projeção é bastante alvissareira.

"Em 2009, quando houve queda de 0,2% no PIB, o segmento foi pilar de sustentação da atividade econômica e da geração de empregos. Com o crescimento esperado para este ano, micro e pequenas vão continuar "surfando" na boa onda da economia", ressalta Carlos Alberto. Ele afirma que o crescimento incentiva a inovação e a busca por novos nichos de mercado. O país - concluiu - vive um grande momento e os problemas que aparecem, como os gargalos na infra-estrutura, podem se considerados bons problemas porque induzem a novos saltos qualitativos.

Últimas Notícias

Ver mais
PIB do Reino Unido cresce 0,1% em fevereiro; para a Capital Economics, a recessão acabou
Economia

PIB do Reino Unido cresce 0,1% em fevereiro; para a Capital Economics, a recessão acabou

Há 6 horas

Governo Central deve ter superávit de R$ 1,3 bi em março, com alta na receita líquida, diz Ipea
Economia

Governo Central deve ter superávit de R$ 1,3 bi em março, com alta na receita líquida, diz Ipea

Há um dia

Crescimento econômico 'robusto' dos EUA melhora perspectiva mundial, afirma diretora do FMI
Economia

Crescimento econômico 'robusto' dos EUA melhora perspectiva mundial, afirma diretora do FMI

Há um dia

PIB global deve crescer 2,6% em 2024 e 2,7% em 2025, projeta OMC
Economia

PIB global deve crescer 2,6% em 2024 e 2,7% em 2025, projeta OMC

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais