Acompanhe:

Maioria de postos de trabalho foi criada por micro e pequena empresas

A maioria das vagas, 46%, foi aberta pelo setor de serviços, um dos mais impactados pela pandemia da covid-19, que contratou 119,3 mil trabalhadores, em agosto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Empregos: levantamento é do Sebrae, com informações do Caged. (Ricardo Moraes/Reuters)

Empregos: levantamento é do Sebrae, com informações do Caged. (Ricardo Moraes/Reuters)

A
Agência Brasil

Publicado em 4 de outubro de 2021 às, 16h54.

Dos 372,2 mil postos de trabalho criados em agosto, os pequenos negócios foram responsáveis por 265,1 mil, o que representa sete em cada dez postos de trabalho. Os dados são do levantamento feito pelo Sebrae, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

A maioria das vagas, 46%, foi aberta pelo setor de serviços, um dos mais impactados pela pandemia da covid-19, que contratou 119,3 mil trabalhadores, quase o dobro das médias e grandes empresas desse setor que, em agosto, abriu 60,8 mil novos postos de trabalho. Na sequência, aparecem o setor do comércio com 69,8 mil; indústria de transformação (40,6 mil); construção (30,7 mil) e agropecuária (2,5 mil), sendo que apenas nesse setor, o número de novos postos foi inferior ao das médias e pequenas empresas, que abriram 6,7 mil postos.

Você consegue imaginar o seu negócio na capa da EXAME?
Nós conseguimos! Entenda como.

De acordo com o presidente do Sebrae, Carlos Melles, esse é o oitavo mês consecutivo tanto para os pequenos negócios quanto para as médias e grandes empresas e a administração pública, em que houve um saldo positivo. No acumulado do ano, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por aproximadamente 70% dos postos de trabalho gerados no país. Das 2,2 milhões de vagas criadas nos oito primeiros meses de 2021, mais de 1,5 milhão foram dos pequenos negócios, contra 507 mil das médias e grandes empresas. Quando comparado com o mesmo período do ano passado, os dados do Caged revelam uma recuperação da economia e da criação de empregos no Brasil.

“Os pequenos negócios são os primeiros a sentir os efeitos de uma grande crise, mas também são os primeiros a conseguir se recuperar, inclusive pela sua estrutura mais enxuta. É por isso que é tão importante a criação e manutenção de políticas públicas que incentivem esse segmento”, disse Melles. Ele lembrou que entre janeiro e agosto de 2020, o saldo de empregos gerados pelos pequenos negócios havia sido negativo, com o encerramento de 524,3 mil vagas e as médias e grandes haviam fechado um pouco mais de 466 mil empregos.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Últimas Notícias

Ver mais
Quais as melhores empresas para se trabalhar no Brasil, segundo o LinkedIn
seloCarreira

Quais as melhores empresas para se trabalhar no Brasil, segundo o LinkedIn

Há 7 horas

Eles criaram um app para estimular o "chamego" entre as pessoas negras. E devem faturar R$ 2 mi
seloNegócios

Eles criaram um app para estimular o "chamego" entre as pessoas negras. E devem faturar R$ 2 mi

Há um dia

Desenrola dos PJs: Márcio França anuncia programa de renegociação de dívidas de microempresas
Economia

Desenrola dos PJs: Márcio França anuncia programa de renegociação de dívidas de microempresas

Há um dia

Edson Vismona: devedoras contumazes e a evasão fiscal como negócio
Um conteúdo Bússola

Edson Vismona: devedoras contumazes e a evasão fiscal como negócio

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais