Acompanhe:

Grupo Fitta busca franqueados para agências de câmbio prontas

A rede de franquias de agências de câmbio monta as lojas e repassa a operação pronta aos franqueados

Modo escuro

 (Divulgação)

(Divulgação)

P
Priscila Zuini

Publicado em 28 de setembro de 2011, 20h33.

São Paulo – A demora em encontrar pontos comerciais adequados tem incentivado algumas redes de franquias a montar lojas em locais prioritários mesmo sem ter um franqueado. O grupo Fitta, que comercializa franquias de agência de câmbio, adotou esta estratégia e tem, hoje, nove lojas prontas para serem repassadas a franqueados.

Segundo o vice-presidente da companhia Rodrigo Macedo, as lojas que estão prontas são de médio e grande porte. “A rentabilidade é similar, mas as lojas de grande porte têm mais capacidade de atendimento”, explica. Brasília, Belo Horizonte, Natal, Cuiabá e interior de São Paulo têm unidades deste tipo.

Além de investir menos no negócio, o franqueado que escolher uma unidade pronta tem as vantagens de economizar no marketing inicial e já contar com funcionários treinados. “Esses franqueados já conhecem o imobilizado das lojas e não precisam passar pelos processos de contratação e treinamento que levam tempo e dinheiro”, diz Macedo.

Com 63 unidades, o Fitta comercializa franquias desde 2007 e têm 70 novas lojas vendidas em fase de inauguração. Hoje, quase metade das unidades está instalada em shoppings centers. “Centros financeiros, aeroportos e pontos turísticos são pontos interessantes”, conta.

As áreas prioritárias nos planos da rede são Maceió, João Pessoa, Aracaju, Porto Alegre, Florianópolis e Rio de Janeiro. “No Rio, queremos aproveitar o que a Copa do Mundo e a Olímpiadas podem deixar de herança”, diz. Uma franquia padrão tem 30 metros quadrados, precisa de cinco funcionários e exige investimento de 400 mil reais para começar a operar. O prazo de retorno fica entre 24 e 36 meses.