• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Fundo de investimento do banco Omni compra a fintech de cartões Trigg

Fundada há três anos, a empresa bateu no ano passado 1 bilhão de reais transacionados e foi vendida, segundo fontes, por 250 milhões de reais
Trigg: cartões personalizados e cashback atraíram a atenção dos clientes (Divulgação/Trigg)
Trigg: cartões personalizados e cashback atraíram a atenção dos clientes (Divulgação/Trigg)
Por Natália FlachPublicado em 05/02/2020 17:49 | Última atualização em 05/02/2020 17:49Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - Após três anos de sua fundação, a fintech de cartões de crédito Trigg foi vendida para o fundo Vector, que pertence ao grupo financeiro Omni. Segundo fontes, o valor da operação foi de 250 milhões de reais. A empresa não comenta.

Com a aquisição da Vector, os sócio-fundadores Marcela Miranda, Guilherme Müller e Alexandre Pereira deixam a companhia para se dedicar à holding Seastorm, de onde inclusive nasceu a Trigg. Debaixo do guarda-chuva da Seastorm há outras sete empresas.

"A princípio, buscávamos a parceria de um fundo para acelerar o nosso crescimento. Até que a Omni, que já era nossa sócia, fez uma proposta para adquirir 100%", conta Marcela, acrescentando que as conversas duraram entre três e quatro meses. "Como eles estavam conosco desde o começo da operação, não precisamos passar por uma transição", acrescenta.

O interesse pela Trigg vem em um momento em que as fintechs chamam atenção dos clientes e, claro, dos bancos. Nos últimos anos, a companhia recebeu uma média de 4 milhões de solicitações de cartões de crédito e, em 2019, bateu 1 bilhão de reais transacionados desde a sua fundação.

Além disso, uma consultoria identificou no início de 2019 que o gasto médio com os cartões da Trigg era 54% maior do que de outros bancos digitais e o número de transações era, em média, 33% maior do que o dos concorrentes. "Vimos que tínhamos conseguido atingir a meta de sermos o principal cartão na carteira dos clientes", afirma. O motivo é que os clientes contam com estorno de parte do valor das compras (cashback), além de uma gama de produtos e serviços que atendem os seus anseios.

"Fizemos parceria com o site Omelete, que trouxe a Warner, e pudemos fazer os cartões dos super-heróis. Também identificamos que nossos correntistas tinham pet e passamos a oferecer algo como um plano de saúde para gatos e cachorros que é descontado diretamente do cartão."

Segundo Marcela, cada cartão emitido só "paga" os custos da Trigg depois de nove meses. "As safras antigas dão lucro e estão cobrindo os custos de novos pedidos de cartões", afirma. "A Trigg dá lucro, mas em um modelo parecido com o do Nubank que tem muito fluxo de caixa que precisa rodar."