PME

Fábricas de fintechs: as startups por trás da explosão de maquininhas

As grandes empresas estão cada vez mais interessadas em serviços financeiros. As fintechs Zoop e Hash foram criadas para aproveitar essa onda

NAO USAR ESTA FOTO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

NAO USAR ESTA FOTO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Mariana Fonseca

Mariana Fonseca

Publicado em 11 de julho de 2019 às 06h00.

Última atualização em 28 de julho de 2020 às 15h17.

O que o aplicativo de delivery Rappi, a varejista de eletrodomésticos Via Varejo e o marketplace Mercado Livre têm em comum? Os três apostam em serviços financeiros desenvolvidos dentro de casa como uma linha complementar de receita, assim como fez a gigante de tecnologia Apple ao criar seu próprio cartão de crédito. O movimento fez outras grandes empresas se interessarem em criar suas próprias frentes financeiras -- e algumas fintechs aproveitam para oferecer formas mais simples de chegar a um resultado similar. 

Elas são as “fábricas de fintechs”, responsáveis pelas maquininhas do aplicativo iFood, do site de compras coletivas Peixe Urbano ou do comércio eletrônico de construção MadeiraMadeira. O movimento é uma forma de se diferenciar diante do mar de mais 600 fintechs brasileiras, mas testa a elasticidade do inchado mercado das maquininhas, com mais de oito milhões de pontos de venda apenas nas cinco maiores adquirentes do país.

Visão de mercado: varejistas e consumidores

A fintech Zoop foi criada em 2012, antes da expansão das maquininhas e das próprias startups de serviços financeiros. Eles não aproveitaram esses crescimento, mas sim o de marketplaces. O que antes era uma relação de pessoa para pessoa (como o taxista e o passageiro) se tornou uma relação mediada (como o uso do aplicativo de mobilidade urbana Uber). As transações se tornaram mais complexas.

“Os marketplaces enfrentariam uma grande barreira para modernizar sua estrutura de pagamentos para procedimentos mais automáticos, seguros e simples ao consumidor. Queríamos evitar esse trabalho penoso por meio de uma solução pronta”, afirma Rodrigo Miranda, cofundador da Zoop.

Fabiano Cruz e Rodrigo Miranda, cofundadores da Zoop

Fabiano Cruz e Rodrigo Miranda, cofundadores da Zoop (Zoop/Divulgação)

A Zoop oferece três tipos de serviços: captura de pagamentos (serviços de pagamento digital ou físico, como uma API para fazer a cobrança dentro de uma plataforma ou o software para maquininhas já com certificação das bandeiras); de gerenciamento (estrutura de compras digitais e repasse de pagamentos, como contas digitais); e de saída de pagamentos (transferência para instituições financeiras de acordo com normas de compliance e regulação governamental). 

O cliente mais conhecido da Zoop é o iFood, que disponibiliza a própria maquininha com regras específicas de repasse automático dos pagamentos ao aplicativo, ao restaurante e ao entregador. Outros clientes são a Avec (salões de beleza), a Medicinae (medicina) e a Sympla (eventos).

Maquininha da Medicinae, cliente da Zoop

Maquininha da Medicinae, cliente da Zoop (Medicinae/Zoop/Divulgação)

“Empresas de diversos setores perceberam que uma forma de fidelizar o cliente é manter a gestão financeira dentro de casa, dando uma conta ou um cartão. Isso faz com que ele compre mais na sua loja e é mais um potencial de receita ao oferecer crédito, um meio de pagamento ou até mesmo investimento”, afirma Daniel Teixeira, diretor de novos negócios da Zoop.

A Zoop se monetiza por meio de taxas sobre as transações -- não há cobrança para instalar APIs ou softwares. O negócio trabalha com 500 empresas e processa “bilhões de reais” em transações por ano. O volume aumentou 40 vezes no último ano em comparação com 2017 e a fintech espera bater 20 bilhões de reais em operações em 2020.

A Zoop já obteve 20 milhões de dólares em investimentos -- a maior parte vinda da gigante de tecnologia Movile, dona do iFood, que realizou um aporte 18,3 milhões de dólares. Outros investidores são fundos internacionalmente conhecidos, como Qualcomm Ventures e Riverwood Capital.

Especialização: de empresa para empresa

Já a fintech Hash foi criada há apenas dois anos, no meio da explosão das startups de serviços financeiros. Os cofundadores João Miranda e Thiago Arnese eram funcionários da Pagar.me, fintech vendida para a Stone.

“Os clientes queriam consultorias para transacionar pagamentos. Estudei esse mercado, especialmente no mundo físico, e vi que era difícil construir uma solução personalizada de pagamentos, como uma maquininha”, diz Miranda.

João Miranda (direita) e equipe da Hash

João Miranda (direita) e equipe da Hash (Lila Ferradans/Hash/Divulgação)

A Hash mostra como as “fábricas de fintech” estão buscando especialização como forma de se diferenciar. Seu foco está na mediação de vendas entre empresas (B2B), com serviços de pagamento e de banking (carteiras virtuais e contas digitais, por exemplo). “No modelo para o consumidor, B2C, há uma disputa pesada pelas melhores taxas e o melhor marketing.”

A Hash atende tanto clientes regionais, que revendem suas maquininhas white label e dão suporte, quanto nacionais, que integram as maquininhas white label à sua cadeia de pagamento e oferecem soluções integradas. Um atacado que vende para varejos, por exemplo, pode fornecer sua maquininha acoplada a descontos nos produtos e uma conta digital para controlar o saldo de cada estabelecimento e fornecer benefícios como parcelamento de compras.

Oferecer vantagens específicas ao relacionamento B2B e custos menores do que os de desenvolvimento próprio são formas de competir no mar das maquininhas. Segundo Miranda, construir um sistema de subadquirência (intermediação entre processadoras de pagamento/adquirentes, bandeiras, meio de pagamento e clientes) próprio custaria de três a dez milhões de reais para as companhias.

A popularização das fintechs ajudou a Hash a crescer. “As empresas começaram a procurar como os serviços financeiros poderiam se aplicar a elas, ainda sem consciência do que exatamente construir”, afirma Almeida. Soluções da Hash estão em 15 mil estabelecimentos comerciais. A fintech atende seis clientes diretos, como MadeiraMadeira e Peixe Urbano. Em 2018, mediou 100 milhões de reais em operação. Para 2019, espera atingir 400 milhões de reais.

A Hash recebeu investimentos dos fundos Canary e KaszeK e dos empreendedores brasileiros Henrique Dugubras e Pedro Franceschi, criadores da fintech Brex (avaliação de 2,6 bilhões de dólares, com sede no Vale do Silício).

A depender das “fábricas de fintechs”, a lista das mais de 600 startups de serviços financeiros tende a ficar cada vez maior -- e, quem sabe, incluir algumas empresas que nem pensaram ser uma fintech quando foram concebidas.

Acompanhe tudo sobre:FintechsInovaçãomeios-de-pagamentoStartups

Mais de PME

Mais na Exame