PME

Ela fatura R$ 10 milhões transformando caminhões em hospitais itinerantes

Arquiteta comanda a Fleximedical, que transforma caminhões em centros cirúrgicos e cresceu 130% na pandemia

Iseli Reis, presidente da Fleximedical: empresa leva atendimento de saúde em caminhões (Fleximedical/Divulgação)

Iseli Reis, presidente da Fleximedical: empresa leva atendimento de saúde em caminhões (Fleximedical/Divulgação)

Mariana Desidério

Mariana Desidério

Publicado em 22 de março de 2022 às 08h00.

Última atualização em 22 de março de 2022 às 10h36.

A Fleximedical é uma empresa que transforma caminhões, carretas, containers, vans e ônibus em centro cirúrgico, ambulatório e centro de diagnóstico itinerantes, levando atendimento médico a regiões com escassez de estruturas de saúde. Em 2021 faturou 10 milhões de reais e a expectativa é chegar a 13 milhões em 2022.

Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no Ranking Negócios em Expansão 2022

Os serviços são contratados principalmente por órgãos do governo e empresas que prestam serviço para o SUS (Sistema Único de Saúde). À frente do negócio está a arquiteta Iseli Reis. “O Brasil tem dimensões continentais e mais de 40% da estrutura de saúde do país está no Sudeste. Nas outras regiões há uma falta de acesso gigantesca”, diz.

O negócio foi fundado em 2005. Reis trabalhou muitos anos no planejamento de hospitais, até que seu primo Roberto Kikawa a chamou para atuar na Fleximedical com ele. Iseli ficou responsável por coordenar a adaptação dos veículos enquanto Kikawa cuidava da parte estratégica do negócio.

A Fleximedical já tinha atendido 2 milhões de pessoas quando Kikawa foi morto em um assalto em 2018. “Eu era gestora operacional e me vi nessa situação. Ouvi muito que eu não conseguiria manter o negócio, mas pensei: ‘não posso parar’”, diz.

Reis assumiu o comando da empresa, que ganhou musculatura de lá para cá, além de certificações importantes. A Fleximedical é certificada como empresa do Sistema B (companhias que quilibram propósito e lucro) e também reconhecida como um negócio social pela Yunus Negócios Sociais. Hoje tem 70 veículos adaptados e já fez mais de 3 milhões de atendimentos.

O auge da demanda veio com a pandemia – entre 2019 e 2020 a empresa cresceu 130%. “Foi o grande momento de cumprirmos nosso propósito. Faltava UTI, faltavam estruturas de saúde e nos engajamos para chegar no maior número de pessoas possível. As estruturas da Fleximedical atenderam quase 100 mil pessoas no contexto da pandemia.

Agora, a Fleximedical se prepara para acelerar mais. Uma das principais apostas para 2022 são as cabines voltadas para atendimentos via telemedicina. O objetivo é ampliar as possibilidades da telemedicina, com cabines equipadas para medir pressão, temperatura, gordura corporal e até fazer um eletrocardiograma do paciente.

“Com essas cabines, podemos levar médicos do Sudeste para regiões sem acesso à saúde usando a tecnologia”, diz. A meta inicial da empresa é chegar a regiões brasileiras onde ela ainda não está, como Roraima, Rondônia, Acre, Piauí e Maranhão. Depois, olhar para as oportunidades fora do país.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Acompanhe tudo sobre:Aladas-na-ExameEmpreendedorismoempreendedorismo-femininoEXAME-no-InstagramSaúdeStartupsSUS

Mais de PME

Mais na Exame