Acompanhe:

Conheça a boia-fria que criou a Sodiê Doces

Cleusa Maria fez seu primeiro bolo quando uma antiga patroa pediu sua ajuda. Hoje ela é dona da Sodiê Doces, com 266 franquias no Brasil

Modo escuro

Continua após a publicidade
Cleusa Maria, da Sodiê Doces: rede irá abrir loja em Orlando entre março e abril deste ano (Sodiê Doces/Divulgação)

Cleusa Maria, da Sodiê Doces: rede irá abrir loja em Orlando entre março e abril deste ano (Sodiê Doces/Divulgação)

J
Jornal de Negócios do Sebrae/SP

Publicado em 22 de outubro de 2016 às, 10h08.

Última atualização em 22 de outubro de 2016 às, 16h02.

A dona da Sodiê Doces, Cleusa Maria, já foi boia-fria e empregada doméstica. Hoje, comanda uma das maiores redes de franquias do país, com 266 unidades espalhadas por 13 estados.

O segredo do sucesso? Muita perseverança, foco e persistência. E não desistir facilmente do negócio, pois o retorno não vem no curto prazo. Para 2017, a empresária planeja lançar uma rede de franquias de salgadinhos com o objetivo de chegar aos municípios com menos de 100 mil habitantes.

Conte-nos um pouco sobre sua trajetória pessoal.
Cleusa Maria - Nasci em uma família muito pobre e desde cedo precisei ajudar a minha mãe. Trabalhei como boia-fria e empregada doméstica. Um dia, uma antiga patroa precisou de ajuda para fazer um bolo. Mas eu nunca tinha feito um bolo na vida. Ela me ensinou os detalhes e comecei a fazer bolos e doces e vender no bairro. Naquela época, há 19 anos, eu comprei mesas, uma vitrine e comecei a vender bolo em Salto, interior de São Paulo. Foi a minha primeira loja.

Como surgiu a Sodiê Doces? O que levou a abrir uma empresa no setor de confeitaria?
Cleuysa Maria - A Sodiê – junção dos nomes dos meus filhos, Sofia e Diego – surgiu puramente por necessidade. A escolha em empreender no setor de confeitaria foi por acaso. Primeiramente, a empresa se chamava Sensações Doces e depois passou a se chamar Sodiê. Para o negócio se estruturar e virar franquia, trabalhei arduamente por dez anos; várias vezes trabalhando até de madrugada. Quando o negócio deu certo, comecei a abrir outras lojas e tornei a empresa uma franqueadora. Hoje, já são 266 lojas, em 13 estados.

O que o empreendedor precisa saber em relação à gestão do negócio?
Cleusa Maria - Nenhuma pessoa nasce sabendo fazer gestão. É necessário se aprimorar. Em primeiro lugar, o empreendedor precisa ter o foco em fazer o melhor produto ou serviço do mercado. Só assim, ele poderá competir com os concorrentes. Não dá para produzir nada “meia boca”. E para fazer uma gestão adequada, é necessário buscar informações, fazer cursos, procurar ajuda. O Sebrae e outras entidades, por exemplo, são fundamentais para quem quer abrir ou já tem um negócio.

Muitos clientes do Sebrae-SP têm dú-vidas em relação de quanto cobrar pelo trabalho de confeitaria e produtos. Como se deve calcular o preço?
Cleusa Maria - O preço precisa ser definido em cima do que foi gasto, como os ingredientes, insumos de produção e também impostos. E não exagere no valor de sua mão de obra embutida no preço final. Seja coerente. Se o preço do produto estiver muito alto, o cliente só comprará uma vez. Se a pessoa demorou duas horas para fazer um bolo, cobre por duas horas de mão de obra, e não pelo dia todo de trabalho.

E como é administrar uma rede de franquias? Quanto custa se tornar um franqueado da Sodiê?
Cleusa Maria - Eu tenho muito respeito e profissionalismo com os empreendedores que abriram uma franquia da Sodiê. A administração não é fácil e simples, pois eu primo sempre pela excelência. Os nossos franqueados precisam sempre oferecer os melhores produtos e serviços aos clientes. Para ter uma franquia nossa, o custo vai de R$ 350 mil a R$ 450 mil. Este valor já inclui o investimento total para abrir a loja e mais a taxa de franquia.

E qual é o futuro da Sodiê? Tem alguma novidade?
Cleusa Maria - A Sodiê hoje está em praticamente todas as cidades de São Paulo com mais de 100 mil habitantes. Mas para o ano que vem, temos uma grande novidade: vamos abrir uma franquia de salgadinhos. Nosso objetivo é atingir as cidades menores. O custo da franquia também será mais barato, em torno de R$ 200 mil.

Qual é a mensagem que você deixa para quem quer abrir um negócio ou já é empreendedor?
Cleusa Maria - Eu acho que o principal é ter foco e persistência. E não desistir facilmente. O começo é muito difícil, cheio de obstáculos. Mas a pessoa precisa ter em mente que o retorno não é imediato e nem vem em curto prazo. É preciso estruturar o negócio e gostar do que faz. Por um bom tempo, tive que abrir mão de coisas pessoais e até da vida social para conseguir juntar dinheiro para expandir o negócio. Hoje colho os frutos por isso.

Últimas Notícias

Ver mais
Essa empresa gaúcha de doces vai patrocinar o Brasil nas Olimpíadas e busca faturar R$ 1 bi em 2025
seloNegócios

Essa empresa gaúcha de doces vai patrocinar o Brasil nas Olimpíadas e busca faturar R$ 1 bi em 2025

Há 17 horas

Com influenciadores e executivos, Gramado Summit começa nesta quarta-feira; veja programação
seloCarreira

Com influenciadores e executivos, Gramado Summit começa nesta quarta-feira; veja programação

Há um dia

TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação
Brasil

TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação

Há 4 dias

Em sexta edição, Brazil at Silicon Valley quer aprofundar discussões sobre a adoção da IA generativa
seloNegócios

Em sexta edição, Brazil at Silicon Valley quer aprofundar discussões sobre a adoção da IA generativa

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais