Com entrada nos EUA e foco em segurança, Inloco muda a marca para Incognia

Depois de vender seu braço de publicidade para o Magazine Luiza, a startup de Recife foca em segurança digital para expandir internacionalmente

Menos de um ano depois de vender seu braço de publicidade para o Magazine Luiza, a empresa de tecnologia Inloco, de Recife, anuncia a mudança de sua marca para Incognia. O novo nome consolida o processo de mudança de modelo de negócio da companhia, que passou a focar em produtos de identidade e segurança digital desde o começo da pandemia

Incognia era o nome que a Inloco dava à sua frente de segurança digital, que usa os padrões de geolocalização dos usuários como chave de identificação. Ao decidir concentrar seus esforços somente nesse produto, a empresa percebeu que seria mais fácil deixar para trás a antiga marca.

Nova aposta 

A tecnologia de segurança e identidade digital da Incognia começou a ser construída com o aporte de 20 milhões de dólares que a empresa recebeu em junho de 2019, liderado pelo fundo americano Valor Capital e pelo brasileiro Unbox Capital, da família Trajano, do Magazine Luiza. 

A identidade digital da empresa foi pensada para substituir a necessidade de login e senha para autenticar pessoas. Ela mapeia o comportamento do usuário no smartphone de forma anônima e cria uma identidade com base no seu padrão de deslocamento. 

Hoje, o produto é utilizado em três frentes por bancos, apps de delivery, e-commerce e carteiras digitais. A primeira é para facilitar o processo de abertura de contas. Em vez de o cliente precisar enviar um comprovante de residência, ele só precisa ativar a localização do smartphone para validar o endereço informado. Segundo André Ferraz, fundador e presidente da companhia, a simplificação no processo aumentou o volume de aberturas de cadastros em até 20% nas empresas que adotaram a solução.

O segundo tipo de uso é para facilitar o login durante compras online ou transações financeiras. Segundo a empresa, 30% dos clientes desistem da compra quando são obrigados a comprovar a identidade. Com o histórico de geolocalização do usuário, a Incognia sabe se a pessoa que está efetuando a transação é a mesma cadastrada ou não. “Mais de 90% das transações acontecem de um local seguro para o usuário, como a casa ou trabalho — nessas situações, a empresa não precisa exigir senha ou comprovante de biometria ao cliente”, diz Ferraz.

O serviço também evita fraudes, já que a startup consegue avaliar se o dispositivo de acesso já foi utilizado em outros esquemas e se está em uma região não frequentada pelo usuário cadastrado. “Conseguimos, em média, uma redução de 70% nos roubos de conta”, diz o cofundador.

Hoje, são cerca de 10 grandes empresas usando o serviço no Brasil, Estados Unidos, México e Colômbia — só no Brasil, são mais de 70 milhões de dispositivos monitorados. A cada transação avaliada para as empresas clientes, a Incognia recebe alguns centavos. 

Trajetória da empresa

A startup nasceu em 2014 de um projeto de ciência da computação da Universidade Federal de Pernambuco, em Recife. O fundador estava empenhado em criar ferramentas que permitissem a “internet das coisas”, modelo em que os dispositivos pessoais estariam conectados entre si e realizando tarefas de forma autônoma. Para isso, ele começou a desenvolver tecnologias de geolocalização e ferramentas de segurança digital. 

Para poder financiar suas pesquisas, a startup precisou abraçar outros mercados, como a publicidade. Ela criou um sistema que manda notificações push quando as pessoas passam perto de estabelecimentos das empresas clientes. A estratégia deu certo. Em 2016, a Inloco Media já era avaliada em 50 milhões de reais e tinha escritórios em Nova York, Berlim e Londres. 

Em 2020, com a pandemia forçando uma queda na circulação de pessoas pela cidade, o negócio sofreu. Por isso, quando o Magazine Luiza, que era cliente da ferramenta de mídia há alguns anos, demonstrou interesse em adquirir o produto, a startup decidiu que era hora de vendê-lo e focar na sua solução de segurança digital.

Segundo Ferraz, o valor de mercado de 90 milhões de dólares que a Inloco tinha no começo de 2020 caiu com a pandemia e a venda da divisão para o Magalu, mas hoje já foi recuperado. Para 2021, a meta do fundador é multiplicar por dez a receita mensal da companhia, explorando, principalmente, o mercado americano, que deve passar a corresponder por 35% do faturamento da empresa até o final do ano — hoje representa menos de 10%.  

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.