Acompanhe:

ACE recebe aporte e anuncia parceria inédita com fundo Bossa Nova

Acordo é único na América Latina e garantirá às startups da aceleradora opção de investimento de até R$ 500 mil.

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE (ACE/Divulgação)

Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE (ACE/Divulgação)

M
Mariana Desidério

Publicado em 4 de agosto de 2017 às, 08h00.

Última atualização em 4 de agosto de 2017 às, 09h10.

São Paulo – A ACE – principal aceleradora de startups do país – acaba de fechar sua rodada de investimentos série B. Liderado pelo fundo de investimentos Bossa Nova, o aporte contou ainda  com a participação dos empreendedores e investidores José Edison Franco, André Romi e Thiago Oliveira. O valor recebido pela aceleradora não foi revelado, mas deve ficar entre 10 e 20 milhões de reais.

Com o aporte, ACE e Bossa Nova fecharam uma parceria inédita no país e na América Latina. Agora, todas as startups que concluírem o programa de aceleração da ACE e cumprirem os requisitos da aceleradora receberão automaticamente do Bossa Nova uma proposta de investimento de valor entre 300 mil e 500 mil reais.

“A ACE deixa a startup no ponto que precisamos para entrarmos com o investimento. Já aportamos em várias empresas que passaram pela aceleração deles e estamos muito satisfeitos”, afirma João Kepler sócio da Bossa Nova.

O fundo se especializou em investimentos pré-seed, com valores entre 100 mil e 800 mil reais. “Esse momento inicial é o vale da morte da startups e nós decidimos como fundo de investimentos focar nesse setor. Preferimos colocar 1 bilhão em várias empresas do que em uma apenas. Assim temos mais diversidade e geramos mais oportunidade”, afirma Kepler.

No ritmo do Vale do Silício

Para Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE, além demonstrar a confiança do Bossa Nova no processo de aceleração da ACE, o acordo significa um avanço para o ecossistema de investimento brasileiro.

“Com essa proposta, o Bossa Nova traz um ritmo Vale do Silício para o Brasil, onde o processo de investimento ainda dura no mínimo seis meses. No Vale do Silício a coisa acontece de forma bem mais ágil. Ao propor esse contrato automático o Bossa Nova incentiva outros investidores a agirem da mesma forma”, afirma.

Outro fruto da chegada do Bossa Nova como investidor da ACE é a possibilidade de troca entre as empresas investidas dos dois lados. O fundo já aportou dinheiro em cerca de 170 negócios, enquanto a ACE já acelerou 130 startups. Nos dois casos, as empresas se mantêm em contato, gerando uma rede de negócios. Agora, essas redes serão unificadas, o que amplia as possibilidades de troca entre os empreendedores.

O aporte recebido pela ACE vai possibilitar a aceleração de mais 50 startups, além de ampliação da área corporativa da aceleradora, focada em levar inovação para grandes empresas através de parcerias com startups.

Últimas Notícias

Ver mais
Empreendedor Individual deve enviar declaração até dia 30 de junho; veja como fazer
seloPME

Empreendedor Individual deve enviar declaração até dia 30 de junho; veja como fazer

Há um ano

Além das salas de aula: 4 maneiras de aprender mais sobre empreendedorismo
seloPME

Além das salas de aula: 4 maneiras de aprender mais sobre empreendedorismo

Há um ano

Bolsonaro sanciona Pronampe; estimativa de crédito para MPEs é de R$ 50 bi
seloPME

Bolsonaro sanciona Pronampe; estimativa de crédito para MPEs é de R$ 50 bi

Há um ano

3 cases de inovação aberta - o que podemos aprender com eles?
seloPME

3 cases de inovação aberta - o que podemos aprender com eles?

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais