• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

ACE recebe aporte e anuncia parceria inédita com fundo Bossa Nova

Acordo é único na América Latina e garantirá às startups da aceleradora opção de investimento de até R$ 500 mil.
Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE (Divulgação/ACE)
Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE (Divulgação/ACE)
Por Mariana DesidérioPublicado em 04/08/2017 08:00 | Última atualização em 04/08/2017 09:10Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo – A ACE – principal aceleradora de startups do país – acaba de fechar sua rodada de investimentos série B. Liderado pelo fundo de investimentos Bossa Nova, o aporte contou ainda  com a participação dos empreendedores e investidores José Edison Franco, André Romi e Thiago Oliveira. O valor recebido pela aceleradora não foi revelado, mas deve ficar entre 10 e 20 milhões de reais.

Com o aporte, ACE e Bossa Nova fecharam uma parceria inédita no país e na América Latina. Agora, todas as startups que concluírem o programa de aceleração da ACE e cumprirem os requisitos da aceleradora receberão automaticamente do Bossa Nova uma proposta de investimento de valor entre 300 mil e 500 mil reais.

“A ACE deixa a startup no ponto que precisamos para entrarmos com o investimento. Já aportamos em várias empresas que passaram pela aceleração deles e estamos muito satisfeitos”, afirma João Kepler sócio da Bossa Nova.

O fundo se especializou em investimentos pré-seed, com valores entre 100 mil e 800 mil reais. “Esse momento inicial é o vale da morte da startups e nós decidimos como fundo de investimentos focar nesse setor. Preferimos colocar 1 bilhão em várias empresas do que em uma apenas. Assim temos mais diversidade e geramos mais oportunidade”, afirma Kepler.

No ritmo do Vale do Silício

Para Pedro Waengertner, CEO e fundador da ACE, além demonstrar a confiança do Bossa Nova no processo de aceleração da ACE, o acordo significa um avanço para o ecossistema de investimento brasileiro.

“Com essa proposta, o Bossa Nova traz um ritmo Vale do Silício para o Brasil, onde o processo de investimento ainda dura no mínimo seis meses. No Vale do Silício a coisa acontece de forma bem mais ágil. Ao propor esse contrato automático o Bossa Nova incentiva outros investidores a agirem da mesma forma”, afirma.

Outro fruto da chegada do Bossa Nova como investidor da ACE é a possibilidade de troca entre as empresas investidas dos dois lados. O fundo já aportou dinheiro em cerca de 170 negócios, enquanto a ACE já acelerou 130 startups. Nos dois casos, as empresas se mantêm em contato, gerando uma rede de negócios. Agora, essas redes serão unificadas, o que amplia as possibilidades de troca entre os empreendedores.

O aporte recebido pela ACE vai possibilitar a aceleração de mais 50 startups, além de ampliação da área corporativa da aceleradora, focada em levar inovação para grandes empresas através de parcerias com startups.