Acompanhe:

50 startups: em 2020, startup de Goiânia cresceu 5 vezes e chegou até o Japão

A Polichat, startup de Goiânia, aumentou cinco vezes a base de clientes em 2020 com sua plataforma de comunicação

Modo escuro

Continua após a publicidade
Da esquerda para a direita, os fundadores da Polichat: Alberto Filho, CEO, Saulo Daniel, CTO, e Gabriel Henrique, CIO (Alberto Filho/Divulgação)

Da esquerda para a direita, os fundadores da Polichat: Alberto Filho, CEO, Saulo Daniel, CTO, e Gabriel Henrique, CIO (Alberto Filho/Divulgação)

L
Luísa Granato

Publicado em 25 de fevereiro de 2021 às, 18h30.

Última atualização em 26 de fevereiro de 2021 às, 12h29.

Esta reportagem faz parte da série "50 startups que mudam o Brasil", publicada na EXAME. Conheça as demais empresas selecionadas 

“Não é só de soja e gado que vive Goiás”, brinca Alberto Filho, fundador da Polichat, uma startup de Goiânia que aumentou cinco vezes a base de clientes em 2020 com uma plataforma para atendimento por canais como o WhatsApp. E sua equipe também quadruplicou durante o último ano.

A ideia do negócio veio em 2018 quando os sócios Alberto Filho e Gabriel Henrique de Sousa trabalhavam numa rede de clínicas médicas.

Ambos ficavam frustrados com clientes tirando dúvidas e fazendo reclamações em canais alternativos ao telefone da empresa — como as redes sociais.

“Começamos a testar para entender se a dor que víamos não era pontual, e muito pelo contrário era latente. E o mundo digital já estava dando evidências de um canal de atendimento convergente”, diz.

Junto com mais dois sócios-fundadores, o Saulo Daniel e Túlio Tomé, eles começaram o Polichat. Em 2018, entrou o primeiro cliente. 

Com o boom de 2020, hoje eles atendem empresas pelo Brasil e fora do país, expandindo para o Paraguai, Argentina, Uruguai, Canadá, Estados Unidos e Japão.

O negócio cresceu: nos últimos meses a empresa agregou uma opção de pagamento, o Polipay, à plataforma de atendimento, dobrando a aposta nos contatos digitais entre empresas e clientes.

De olho em novas funcionalidades, como uma opção de ligação e de streaming para negociações, eles vão dar o primeiro passo para o futuro do negócio com um novo nome. A partir de 2021, eles serão Poli. 

Últimas Notícias

Ver mais
Do meio do mundo: como o Amapá quer se tornar uma referência em startups na região amazônica
seloNegócios

Do meio do mundo: como o Amapá quer se tornar uma referência em startups na região amazônica

Há 16 horas

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões
seloNegócios

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões

Há 2 dias

Em negócio de R$ 20 milhões, empresa de SP compra startup para agilizar comércio no exterior
seloNegócios

Em negócio de R$ 20 milhões, empresa de SP compra startup para agilizar comércio no exterior

Há 4 dias

"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no BR para ajudar a TI das empresas
seloNegócios

"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no BR para ajudar a TI das empresas

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais