Future of Money
Acompanhe:

Pesquisa: brasileiros desconhecem open banking e só 15% entendem o Pix

Pesquisa realizada pelo PayPal mostra que brasileiros ainda não dominam assuntos que podem mudar a relação com o dinheiro no futuro próximo

 (IAM-photography/Getty Images)

(IAM-photography/Getty Images)

G
Gabriel Rubinsteinn

11 de novembro de 2020, 17h34

O setor financeiro vive momento de agitação. Digitalização, Pix, open banking e criptomoedas, entre outras inovações, podem promover mudanças significativas no mercado no futuro próximo. Mas uma pesquisa realizada pelo PayPal e divulgada na última segunda-feira (9) mostra que os brasileiros ainda desconhecem grande parte dessas novidades — e das possibilidades que elas devem abrir para empresas e consumidores.

Realizada em parceria com o Opinion Box, a pesquisa "Tendências no Segmento de Pagamentos Digitais: Pix e Open Banking" entrevistou 3.024 pessoas — homens e mulheres acima de 18 anos, de todas as classes e regiões do Brasil, aplicadas através de um questionário com 66 perguntas. E os dados obtidos mostram informações relevantes sobre o comportamento dos brasileiros em relação ao futuro do dinheiro no país.

Mesmo sem conhecerem a fundo a nova plataforma de pagamentos do Banco Central do Brasil ou o conceito de open banking, a maioria dos entrevistados concorda que as duas iniciativas têm potencial para mudar a forma como os brasileiros gerenciam o seu dinheiro.

Enquanto o Pix é percebido como uma maneira mais barata, rápida e disponível para pagamentos, o open banking tem espaço para crescer e ganhar a confiança dos clientes, ajudando-os a terem mais liberdade de escolha e menos burocracia do que existe hoje no mercado financeiro.

Open banking e privacidade

Apesar do open banking ser apontado por especialistas como algo positivo para os consumidores, ainda há enorme desconhecimento sobre o assunto: cerca de metade dos brasileiros nunca ouviu falar em open banking e apenas 22% disseram "conhecer pouco" ou "conhecer bem" o assunto.

Informados pelos pesquisadores sobre os pontos principais do open banking, 45% dos entrevistados entenderam como ele funciona; 35% se disseram seguros quanto a usar essa funcionalidade; e apenas 34% autorizariam o compartilhamento de seus dados com outras instituições financeiras.

Entre aqueles que não têm interesse em compartilhar seus dados (24% do total), os principais motivos para isso são: “me preocupo com quem terá acesso aos meus dados”, com 50%; “não acho que meu histórico bancário deva ser compartilhado”, com 20%; “acredito que só eu devo ter acesso aos meus dados financeiros”, com outros 20%; e “tenho medo de que meu histórico bancário me prejudique em outros bancos”, citado por 10% dos entrevistados.

Pix, a escolha feita com o bolso

Em relação ao Pix, a pesquisa deixa claro que o interesse dos brasileiros pelo novo sistema se resume a basicamente dois fatores: tempo e dinheiro. 77% dos entrevistados disseram não gostar de ter de esperar dois dias úteis para a validação de um boleto, por exemplo; e 72% não gostam da espera até a aprovação de um pagamento.

A possível gratuidade de uma transferência, claro, é atrativa para os brasileiros: 76% disseram que fariam mais transferências se elas fossem gratuitas, enquanto 61% afirmaram não gostar de fazer DOC e TED por causa das altas taxas cobradas pelas instituições financeiras.

Apesar de mais conhecido entre as pessoas entrevistadas, o Pix também está longe de ser assunto dominado pelos brasileiros: 8% nunca ouviram falar no sistema; 28% já ouviram falar, mas não sabem o que é; 49% disseram conhecer um pouco; e apenas 15% dizem que conhecem bem o tema.

"É muito interessante ver que, apesar de ainda não saberem, tanto o Pix quanto o open banking tem um grande potencial de resolver problemas reais do dia a dia dos consumidores. O desafio, agora, é tornar os dois temas em conhecimento qualificado e não superficial para começar a ver seu impacto nos hábitos dos brasileiros em transações financeiras", disse Felipe Schepers, COO do Opinion Box.

“Tanto o Pix quanto o open banking são plataformas que podem trazer uma grande gama de novos produtos e serviços para os brasileiros – baseados em menores custos, mais disponibilidade e menos burocracia no dia a dia. A pesquisa do Opinion Box demonstra, porém, que há uma longa jornada pela frente no que diz respeito à conquista desse cliente/correntista, que ainda não tem todas as informações à disposição para se decidir pelo uso ou não dessas novas funcionalidades", afirmou Carlos Nomura, head de Pagamentos do PayPal na América Latina.

O Pix, em fase de testes desde 3 de novembro, entrará em pleno funcionamento a partir do próximo dia 16. Já o open banking será implementado a partir de 30 de novembro, em fase inicial que deve durar até outubro de 2021.

Últimas Notícias

ver mais
Open banking agora será open finance, declara BC
PIX e open banking

Open banking agora será open finance, declara BC

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
BC adia para setembro de 2022 funcionamento completo do open banking
seloMinhas Finanças

BC adia para setembro de 2022 funcionamento completo do open banking

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Pix ganha prêmio internacional de inovação em meios de pagamento
PIX e open banking

Pix ganha prêmio internacional de inovação em meios de pagamento

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Seis meses de Pix: como avançamos e quais são os próximos passos?
PIX e open banking

Seis meses de Pix: como avançamos e quais são os próximos passos?

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
icon

Brands

ver mais

Uma palavra dos nossos parceiros

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais