Malwee lança máscara e camiseta anti-covid com tecnologia da Suíça

Produto usa sais de prata e um princípio usado em remédios contra o câncer para neutralizar o vírus; uma camiseta sai por 49,99 reais

A marca de roupas Malwee começou a produzir essa semana máscaras e camisetas com um tecido antiviral e antibacteriano. O produto, desenvolvido pela empresa de inovação têxtil suíça  HeiQ, foi testado contra o novo coronavírus e apresentou 99% de eficácia na neutralização do vírus.

O tecido usa dois princípios para combater o vírus. O primeiro deles é a prata. O segundo é chamado de vesícula lipossomal, uma tecnologia usada em remédios contra o câncer. “É uma tecnologia da Suíça que acaba de ser lançada. Ela tem uma parcela de prata e outra de uma vesícula lipossomal, que é o mesmo princípio usado em remédios contra o câncer. O produto se liga ao vírus pela prata e puxa a gordura que reveste o vírus através da vesícula, em um processo de osmose. Assim o vírus fica inerte”, afirma Luiz de Freitas, gerente industrial da Malwee.

Até agora foram produzidas 400 mil camisetas e 25 mil máscaras usando o produto antiviral. A Malwee afirma que abriu mão de boa parte da margem de lucro das peças, que estão sendo vendidas quase a preço de custo. Uma camiseta com a tecnologia custa 49,99 reais e um kit com duas máscaras sai por 29,99 reais. As máscaras possuem três camadas de tecido. Há também peças infantis. A Malwee estuda ampliar o uso do produto antiviral em outras peças.

“Nos preocupamos em trazer uma tecnologia que fosse acessível. Essa solução está sendo usada agora na Europa e nos Estados Unidos. Estamos par a par com a inovação nesses países”, diz Freitas.

Além de efeito antiviral, a tecnologia tem efeito contra bactérias e fungos. A empresa diz ainda que  propriedade antiviral se mantém mesmo após 30 lavagens. O produto usado para combater o vírus é aplicado nos tecidos em um processo automatizado. Os testes do tecido contra a covid-19 foram feitos pela empresa suíça em conjunto com o Instituto Doherty em Melbourne, na Austrália.

 

Santaconstancia

A companhia brasileira do setor têxtil Santaconstancia também começou a fabricar tecidos com propriedades antivirais. O produto é feito com fios de poliamida antiviral e antibacteriana, cujo princípio ativo não sai nas lavagens, segundo a empresa.

“A tecnologia tem o efeito permanente, pois o princípio ativo encontra-se nas próprias moléculas do fio”, disse Gabriella Pascolato Costa, diretora de marketing da Santaconstancia, em comunicado divulgado pela empresa. A tecnologia dos fios foi desenvolvida pela indústria química Rhodia.

A expectativa é que a nova linha de tecidos responda por 35% das vendas da Santaconstancia, sendo que 40% das vendas devem ir para o setor de saúde e 60% para os demais segmentos de moda.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE