Negócios

Justiça de SP suspende ação de minoritários brasileiros contra Petrobras

Acionistas alegavam perdas relacionadas aos desvios investigados na Lava Jato; Justiça decidiu que questão deve ser resolvida conforme estatuto da companhia

Petrobras: estatal brasileira pagou a parcela de um acordo de US$ 2,95 bilhões feito nos EUA para encerrar ações de acionistas daquele país (Paulo Whitaker/Reuters)

Petrobras: estatal brasileira pagou a parcela de um acordo de US$ 2,95 bilhões feito nos EUA para encerrar ações de acionistas daquele país (Paulo Whitaker/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 4 de julho de 2018 às 20h46.

Rio de Janeiro - O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo suspendeu nesta quarta-feira, 4, a ação civil pública que a Associação dos Investidores Minoritários (Aidmin) moveu contra a Petrobras, alegando perdas relacionadas aos desvios na empresa investigados pela Operação Lava Jato. A decisão da 6ª Vara Cível do TJ-SP avaliou que a questão deve ser resolvida por uma arbitragem, conforme previsto pelo estatuto da companhia.

Na segunda-feira, a estatal brasileira pagou a segunda parcela de um acordo de US$ 2,95 bilhões feito nos Estados Unidos para encerrar ações de acionistas daquele País sob a mesma alegação, de perdas por conta da corrupção encontrada pela Lava Jato em negócios da empresa.

O presidente da Aidmin, Aurélio Valporto, considerou "lamentável" a decisão da justiça paulista e afirmou que vai recorrer. Ele observou que o mesmo caso ocorreu com a ação dos minoritários contra as perdas provocadas pelo empresário Eike Batista, quando uma arbitragem foi pedida pelo advogado Sergio Bermudes e negada pela Justiça.

"A Constituição no seu artigo 5º, inciso 35, deixa claro que todos têm direito de recorrer à Justiça (a lei não exime de apreciação do poder judiciário lesão ou ameaça ao direito), e a arbitragem não pertence ao poder judiciário", argumenta.

Valporto criticou ainda a justiça brasileira por não levar o mercado de capitais a sério e reafirmou que não existe no Brasil proteção para os minoritários.

Acompanhe tudo sobre:acionistas-minoritariosCorrupçãoOperação Lava JatoPetrobras

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame