Dirigimos o primeiro veículo elétrico fabricado em série no Brasil

Novo Volkswagen e-Delivery é feito em Resende (RJ) e já teve 200 unidades vendidas para clientes como Ambev e Femsa em apenas 90 dias
 (Volkswagen/Divulgação)
(Volkswagen/Divulgação)
G
Gabriel AguiarPublicado em 19/10/2021 às 16:15.

E não é que o primeiro veículo elétrico fabricado no Brasil já está disponível? Só não pense que se trata de algum carro popular que baixará os preços da categoria por aqui: o novo Volkswagen e-Delivery é um pequeno caminhão destinado ao uso urbano — e que foi pioneiro na categoria, não somente aqui, como em todas as Américas, África e Europa. E o resultado foram 200 unidades vendidas em 90 dias.

Planos de montar as baterias no Brasil

Esse projeto nasceu em 2017, quando o modelo ainda era apenas um protótipo, e já veio sendo testado há alguns meses, inclusive pela Ambev (empresa que, sozinha, foi responsável por metade das unidades encomendadas). E, ainda que as baterias venham importadas, o e-Delivery é quase 50% nacionalizado, o índice que deverá crescer futuramente, pois a empresa estuda montar o conjunto aqui no país.

Mais que isso, a Volkswagen também tem planos para exportação do caminhão elétrico, principalmente aos mercados da América Latina, ainda que não haja previsão oficial de quando isso deverá acontecer. E os planos são ambiciosos, porque o fabricante prevê que 15% da frota de caminhões de uso urbano seja elétrica nos próximos cinco anos — quando as regras para motores a diesel serão mais rigorosas.

VW e-Delivery

Painel recebeu muitos componentes dos carros de passeio da marca (Volkswagen/Divulgação)

Quanto custa para comprar e operar

“Esse veículo permite descarbonizar as cadeias de fornecimento e, por isso, são os próprios contratantes que exigem frotas eletrificadas. Existem outras vantagens, como manutenção 30% mais barata e menos revisões. Também dá para fazer jornadas duplas, durante a noite, porque não emite ruídos”, diz Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e pós-venda da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

O novo e-Delivery custa a partir de 780.000 reais na configuração de entrada — versão 4x2 e três pacotes de baterias capazes de entregar 110 km de autonomia —, enquanto a topo de linha, com um eixo a mais e o dobro de baterias (que elevam a autonomia para 250 km) chega aos 980.000 reais. Só que o modelo pode ser financiado em 120 meses com taxa de 0,88% a.m. ou consórcio de 80 meses sem juros.

Tudo bem que os valores são praticamente o dobro do Volkswagen Delivery 11.180, com motor a diesel, que é vendido por 350.000 reais. Só que a versão elétrica também oferece possibilidade de economia em longo prazo, com 65% menos consumo de energia e custo de abastecimento 50% mais baixo. De acordo com o fabricante, o custo total de operação (TCO, na sigla em inglês) é 6% inferior no e-Delivery.

VW e-Delivery

Motor elétrico foi instalado diretamente no eixo traseiro (Volkswagen/Divulgação)

Sem depender dos postos de combustível, o novo caminhão elétrico também está livre das variações de preços do diesel — alvo de protestos dos caminhoneiros nos últimos meses. Nos carregadores com carga lenta, de até 24 kWh, o modelo precisa de até 6 horas para recarregar as baterias, enquanto os carregadores de maior capacidade, acima dos 150 kWh, reduzem a espera para até 2 horas, dependendo da situação.

Como é a sensação de dirigir

Mesmo com duas opções de entre-eixos, que variam entre 3,30 m e 4,40 m, o Volkswagen e-Delivery é um caminhão fácil de dirigir — como a EXAME constatou durante um breve teste em São Paulo. Esse modelo traz até componentes que lembram veículos de passeio da marca, como volante, chave de luz e botões do painel. E, como já era esperado, o silêncio reina a bordo (ajudado pela suspensão a ar).

VW e-Delivery

Conjunto de baterias é instalado sob a caçamba (Volkswagen/Divulgação)

Se essa experiência foi tranquila para quem não está acostumado a dirigir veículos pesados, deve repetir as boas impressões de quem já trabalha com a configuração movida a diesel. Completamente atualizada há cerca de quatro anos, a família Delivery (que inclui o modelo elétrico) se mantém como uma das mais modernas do mercado brasileiro. Resta saber se o e-Delivery manterá o bom fôlego da pré-venda.