Mundo

Vladimir Putin chega à China para visita de dois dias

Esta é a primeira viagem ao exterior do chefe do Kremlin desde sua reeleição em março passado

Vladimir Putin, presidente da Rússia (Contributor/Getty Images)

Vladimir Putin, presidente da Rússia (Contributor/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 15 de maio de 2024 às 20h09.

O presidente russo, Vladimir Putin, chegou à China nesta quinta-feira (16, tarde de quarta em Brasília) para uma visita de dois dias, durante a qual se encontrará com seu contraparte, Xi Jinping, e buscará obter mais apoio para sua guerra contra a Ucrânia.

Segundo imagens divulgadas pela televisão russa, ao desembarcar de seu avião em Pequim, às 04h30 locais (17h30 de quarta em Brasília), o chefe do Kremlin foi recebido por funcionários chineses e uma guarda de honra, e depois embarcou em uma limusine negra.

Esta é a primeira viagem ao exterior de Putin desde sua reeleição em março passado e sua segunda à China em menos de seis meses.

Este será o quarto encontro cara a cara entre os dois líderes desde o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022.

Poucos dias antes do início da invasão, Rússia e China afirmaram sua amizade "sem limites" e desde então sua relação diplomática e comercial tem se fortalecido.

"O presidente Xi Jinping trocará pontos de vista com o presidente Putin sobre as relações bilaterais, a cooperação em vários campos e as questões internacionais e regionais de interesse comum", indicou na véspera um porta-voz, Wang Wenbin, em uma coletiva de imprensa.

Por sua vez, o Kremlin indicou que ambos os presidentes planejavam dialogar sobre sua "parceria global e cooperação estratégica".

Além de assinar uma declaração conjunta, os dois presidentes participarão de uma cerimônia para comemorar o 75º aniversário das relações diplomáticas bilaterais, detalhou o Kremlin.

Muitos especialistas apontam que a Rússia está cada vez mais dependente da China, que se tornou um parceiro econômico crucial diante do influxo de sanções ocidentais em resposta à sua ofensiva militar na Ucrânia.

Nos últimos meses, a China tem ignorado as críticas ocidentais sobre seus laços com Moscou, ao mesmo tempo em que se beneficia das importações de gás e petróleo a preços reduzidos de seu vizinho.

O comércio entre China e Rússia disparou desde a invasão da Ucrânia e atingiu US$ 240 bilhões (R$ 1,23 trilhão na cotação atual) em 2023, segundo dados aduaneiros chineses.

Mas as exportações chinesas para a Rússia caíram em março e abril deste ano devido à ameaça de Washington de sancionar instituições financeiras que apoiem a operação bélica de Moscou.

"Esta é a primeira viagem de Putin após sua posse e, portanto, destina-se a mostrar que as relações sino-russas estão aumentando de nível", disse à AFP o analista russo independente Konstantin Kalachev.

"Sem esquecer a amizade pessoal visivelmente sincera entre os dois líderes", acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:RússiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Após 4 mortes na Nova Caledônia, França proíbe Tik Tok e aciona militares

Drones da Austrália e EUA podem ser o futuro da defesa marinha

Biden e Trump aceitam debate na TV antes das convenções; veja data

Primeiro-ministro da Eslováquia é baleado e corre risco de vida

Mais na Exame