Mundo

Venezuela faz campanha de emergência contra cólera

Segundo o Ministério da Saúde do país, pacientes foram contaminados durante uma visita à República Dominicana

Epidemia de cólera no Haiti: agora a Venezuela também é ameaçada com a bactéria (Mario Tama/Getty Images)

Epidemia de cólera no Haiti: agora a Venezuela também é ameaçada com a bactéria (Mario Tama/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de janeiro de 2011 às 10h43.

Brasília - O governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, lançou um plano de emergência para evitar uma epidemia de cólera no país, após 37 pessoas terem sido diagnosticadas com a doença. Segundo o Ministério da Saúde, os venezuelanos diagnosticados com a doença foram contaminados durante visita à República Dominicana. Há, ainda, 452 pessoas sob observação porque podem estar infectadas pela bactéria. Há pelo menos dez anos, a Venezuela não registrava casos da doença.

Os suspeitos de estarem doentes participaram, no último fim de semana, de um casamento na República Dominicana e poderiam ter contraído a doença pela comida servida na festa. "O risco de morte está controlado porque [as 37 pessoas] receberam cuidados médicos e os diagnósticos foram realizados a tempo", afirmou a ministra da Saúde, Eugenia Sader.

Por determinação do governo, aumentou o controle nas áreas do Aeroporto Internacional de Caracas, principalmente na vistoria de passageiros oriundos da República Dominicana e do Haiti. Desde quarta-feira (26), quando 20 casos foram confirmados, o serviço de imigração pede a esses passageiros um formulário especial para que os serviços de saúde tenham facilidade de localizar a essas pessoas.

O Ministério de Saúde pediu a todos que viajaram à República Dominicana que compareçam a centros de saúde para testarem se estão infectadas pela bactéria. "É importante, imprescindível, a cooperação de todas as pessoas que foram a esse evento [o casamento]. Pedimos que busquem tratamento porque podem não ter sintomas, porém, ser portadores da bactéria", afirmou a ministra.

O governo disponibilizou um atendimento via serviço telefônico para dar assistência às pessoas que tenham sido contagiadas e seus familiares. "Está na mão de vocês. Cabe a vocês evitar que a Venezuela não sofra uma epidemia", enfatizou Sader.

A Colômbia, que compartilha uma fronteira de mais de 2 mil quilômetros com a Venezuela, também está em alerta. Caracas e Bogotá já discutem um possível plano conjunto para impedir que a doença se espalhe.

A bactéria do cólera migrou do Haiti, onde a epidemia já matou mais de 4 mil pessoas, para a vizinha República Dominicana. Nesse país, uma pessoa morreu e outras 238 foram contaminadas pela doença.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaGestão públicaSaúdeVenezuela

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame