Mundo

Trabalhadores de plataforma venezuelana afundada são resgatados

Caracas - Os 95 trabalhadores que estavam na plataforma de gás Aban Pearl, que afundou hoje próximo ao litoral venezuelano, foram levados à cidade de Carúpano, 545 quilômetros ao leste de Caracas, indicaram fontes oficiais. Em comunicado, o Ministério de Comunicação assinalou que os trabalhadores, 60 venezuelanos e 35 estrangeiros, foram inicialmente transportados a uma […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de maio de 2010 às 17h33.

Caracas - Os 95 trabalhadores que estavam na plataforma de gás Aban Pearl, que afundou hoje próximo ao litoral venezuelano, foram levados à cidade de Carúpano, 545 quilômetros ao leste de Caracas, indicaram fontes oficiais.

Em comunicado, o Ministério de Comunicação assinalou que os trabalhadores, 60 venezuelanos e 35 estrangeiros, foram inicialmente transportados a uma embarcação e, "posteriormente à cidade de Carúpano".

A nota confirma que todos se encontram em boas condições físicas e que o acidente não provocou danos ambientais, algo que já tinha antecipado o ministro da Energia e Petróleo, Rafael Ramírez.

"Não há nenhum perigo de fuga de gás, que neste caso seria gás seco. O poço da plataforma foi desligado, foram ativadas as válvulas de segurança e ainda outro mecanismo adicional. Posso afirmar que o poço Dragón 6 está estável", disse o ministro da Energia, Rafael Ramírez, à televisão estatal.

Segundo o ministro, inicialmente foram evacuados todos os trabalhadores, menos o capitão e dois engenheiros responsáveis pelo sistema de flutuação.

"Por volta da 1h30 (horário local) o capitão e seus dois ajudantes foram resgatados porque a inclinação da plataforma atingiu 45 graus. Uma hora depois ocorreu o afundamento. Agora, não há nenhum rastro de que ali havia uma plataforma", destacou Ramírez.

Ramírez assinalou que a plataforma é de propriedade da empresa indiana Petromarin e destacou que antes de iniciarem as suas operações em águas venezuelanas a idoneidade da empresa reguladora foi inspecionada e certificada.

"Eles disseram que estava em ótimas condições. Por isso, temos de ser muito cuidadosos na investigação", manifestou o titular de Energia, referindo-se às causas que poderiam ter originado o acidente.

Posteriormente, indicou-se que a companhia proprietária da plataforma é uma filial em Cingapura da corporação indiana Aban Offshore.

"Estamos em contato com a empresa proprietária da broca. Os especialistas já estão analisando as causas deste lamentável incidente", disse o ministro venezuelano.

Ramírez revelou que a investigação incluirá o envio ao fundo do mar de um robô "que fará uma inspeção direta da estrutura sobre a qual ficava a plataforma".

Ele também reiterou que o poço Dragón 6 ficou fechado com substâncias especiais e por outros sistemas de segurança e que, portanto, "não há nenhum risco de poluição ambiental".

O anúncio do afundamento da plataforma foi feito pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de madrugada, em sua conta na rede social Twitter.

O anúncio do afundamento da plataforma foi feito pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na madrugada por meio da sua conta na rede social Twitter.

"Com pesar informo que afundou a plataforma de gás "Aban Pearl" há poucos momentos. A boa notícia é que os 95 trabalhadores estão a salvo", escreveu Chávez em sua primeira mensagem sobre o assunto. EFE

Acompanhe tudo sobre:América LatinaEnergiaPetróleoQuímica e petroquímicaVenezuela

Mais de Mundo

Ciclone Remal toca o solo em Bangladesh; quase 1 milhão de pessoas em abrigos

Trump promete soltar traficante em troca de apoio do Partido Libertário

Governo da Colômbia e ELN assinam primeiro acordo no processo de paz

Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv a partir da Faixa de Gaza

Mais na Exame