Mundo

Temer: voto aberto de parlamentar é 'mais compatível'

Vice de Dilma defendeu esse tipo de eleição após a absolvição da deputada Jaqueline Roriz

Temer: "O voto secreto foi uma conquista da democracia quando existia a figura do soberano. Mas as coisas vão mudando. Hoje, o voto aberto é muito mais compatível" (Lailson Santos/Veja)

Temer: "O voto secreto foi uma conquista da democracia quando existia a figura do soberano. Mas as coisas vão mudando. Hoje, o voto aberto é muito mais compatível" (Lailson Santos/Veja)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de setembro de 2011 às 14h55.

São Paulo - O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou, em entrevista exclusiva à rádio Estadão/ESPN, que o voto aberto de parlamentares é hoje "muito mais compatível" com a democracia do País. A declaração foi feita ao ser questionado a respeito da absolvição da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) no plenário da Câmara após votação secreta, enquanto anteriormente, na Comissão de Ética e com voto aberto, ela teve a cassação aprovada.

"O voto secreto foi uma conquista da democracia quando existia a figura do soberano. Mas as coisas vão mudando. Hoje, o voto aberto é muito mais compatível com a democracia consolidada vigente no país", afirmou. O vice-presidente disse ainda que vê com naturalidade as conversas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua sucessora, Dilma Rousseff.

Segundo ele, não há "sobreposição" da figura de um sobre o outro. "Vejo com muita naturalidade a troca de ideias entre a Dilma e o Lula. Afinal, ele governou o País por oito anos", disse. "Isto, ao invés de ser um fator negativo, deveria ser considerado um fator positivo", completou.

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoEleiçõesEscândalosFraudesMDB – Movimento Democrático BrasileiroMichel TemerPolíticaPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileiros

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame