Mundo

S&P rebaixa nota da França e questiona sua capacidade de cumprir meta fiscal

Foi o primeiro rebaixamento do país desde 2013; França é segunda maior economia da Europa

França é segunda maior economia da Europa (OnickzArtworks/Thinkstock)

França é segunda maior economia da Europa (OnickzArtworks/Thinkstock)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 31 de maio de 2024 às 19h18.

Última atualização em 31 de maio de 2024 às 19h30.

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings rebaixou nesta sexta-feira, 31, pela primeira vez desde 2013, a classificação da dívida soberana da França, de "AA" para "AA-", indicando o "deterioramento da situação orçamentária" da segunda maior economia europeia.

"O rebaixamento reflete nossa projeção de que, contrariamente às nossas expectativas anteriores, a dívida pública francesa em relação ao PIB aumentará devido a déficits maiores que o esperado em 2023-2027", indicou a empresa americana em uma análise de sua decisão final.

A França anunciou em março um déficit público em 2023 de 5,5% do PIB, em vez dos 4,9% esperados.

Essa situação leva a agência de classificação de risco a questionar a capacidade do governo de reduzir o déficit em 2027 para menos de 3% do PIB, o limite imposto pela Comissão Europeia.

A S&P prevê inclusive que o déficit chegue a 3,5% em 2027 e indica que, "sem medidas adicionais" para reduzi-lo, "as reformas não serão suficientes para permitir ao país alcançar seus objetivos fiscais".

O ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, reiterou, no entanto, que a meta será alcançada e explicou, em uma entrevista ao jornal Le Parisien, que o rebaixamento na classificação de risco se deveu aos esforços do governo que permitiram "salvar a economia francesa".

"Nossa estratégia continua sendo a mesma: reindustrializar, alcançar o pleno emprego e manter nossa trajetória para ter um déficit inferior a 3% em 2027", declarou o ministro.

Até agora, a França tinha uma classificação na S&P semelhante à de Bélgica e Reino Unido, embora sua dívida e seu déficit no ano passado fossem superiores aos desses dois países.

O que o rebaixamento significa para a França

Um rebaixamento na classificação de risco pode provocar um movimento de desconfiança nos investidores, com o consequente aumento do serviço da dívida (as quantias desembolsadas para pagar os juros).

Nas condições atuais, o governo do presidente Emmanuel Macron prevê que as quantias destinadas a pagar esses juros aumentem em 2027 para € 72,3 bilhões (R$ 411 bilhões) — em comparação com € 36,3 bilhões (R$ 206,3 bilhões) em 2022 — devido principalmente ao aumento das taxas de referência do Banco Central Europeu (BCE).

Essa quantia é superior ao orçamento da Educação no país.

A S&P retirou da França em 2012 sua classificação máxima, "AAA", da qual atualmente se beneficiam poucos países, incluindo Alemanha e Austrália.

As outras duas grandes agências internacionais, Moody's e Fitch, mantiveram em abril a classificação da França, em "Aa2" no caso da primeira, um nível semelhante ao "AA" da S&P, e "AA-" na segunda, o equivalente a um degrau abaixo.

Acompanhe tudo sobre:FrançaEconomia

Mais de Mundo

Eleições europeias fortaleceram Von der Leyen, mas tarefa ainda não está concluída

Macron descarta renúncia 'seja qual for o resultado' das legislativas antecipadas

Lula e Milei terão chance de 1º encontro em cúpula do G7 na Itália

Cúpula do G7: reunião entre líderes mundiais discutirá saídas para Ucrânia e Gaza, veja quais

Mais na Exame