Mundo

Romney fará campanha em Ohio e Pensilvânia no dia da eleição

Ohio é um dos estados decisivos no pleito americano


	Mitt Romney em uma de suas visitas a Ohio: republicano deve voltar ao estado no dia final das eleições
 (Emmanuel Dunand/AFP)

Mitt Romney em uma de suas visitas a Ohio: republicano deve voltar ao estado no dia final das eleições (Emmanuel Dunand/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de novembro de 2012 às 22h38.

Mitt Romney estenderá sua campanha presidencial de 18 meses até esta terça-feira, para visitar os últimos estados-chave, de Ohio e Pensilvânia, de tendência democrata, no dia da eleição, segundo sua equipe de campanha.

As duas paradas são novos acréscimos ao calendário do republicano que a equipe descreveu como um esforço de Romney para continuar trabalhando até o fim das eleições. Seus assessores anunciaram ainda que o evento da noite desta segunda-feira em New Hampshire será seu "comício final da vitória".

A equipe do republicano disse que Romney irá na terça-feira a Cleveland, no norte de Ohio e a Pittsburgh, na Pensilvânia, um estado que Romney não visita há mais de um mês.

Contudo, a equipe de campanha insiste que a Pensilvânia agora está em jogo e Romney busca ampliar seu potencial caminho para a vitória, mesmo que Obama tenha uma leve vantagem na maioria dos estados decisivos.

Não foram informados os detalhes dos dois novos eventos, mas estes não devem ser grandes comícios, já que isso mobilizaria um grande esforço de Romney no dia da eleição.

Romney, que votará com sua esposa Ann em Belmont, Massachusetts, onde vive, às 08h35 de terça-feira, deve aguardar os resultados das eleições em Boston na noite de terça-feira, enquanto Obama fará o mesmo em Chicago.

Acompanhe tudo sobre:Barack ObamaEstados Unidos (EUA)Mitt RomneyPaíses ricosPersonalidadesPolíticos

Mais de Mundo

Republicanos exigem renúncia de Biden, e democratas celebram legado

Apesar de Kamala ter melhor desempenho que Biden, pesquisas mostram vantagem de Trump após ataque

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Mais na Exame