Acompanhe:

Relatório sobre voo MH17 é político e parcial, diz Rússia

A Rússia acusou a equipe de investigação conjunta de admitir analistas da Ucrânia, que é parte implicada no incidente ocorrido em julho de 2014

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Destroços do voo MH17: a Rússia, que considera que a equipe de investigação conjunta deu à Ucrânia a possibilidade de "falsificar" provas em seu favor
 (Antonio Bronic/Reuters/Reuters)

Destroços do voo MH17: a Rússia, que considera que a equipe de investigação conjunta deu à Ucrânia a possibilidade de "falsificar" provas em seu favor (Antonio Bronic/Reuters/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 28 de setembro de 2016 às, 13h14.

Moscou - A Rússia tachou nesta quarta-feira de político e parcial o novo relatório internacional sobre a catástrofe no leste da Ucrânia envolvendo o voo da Malaysia Airlines MH17, segundo o qual a aeronave teria sido derrubada por um míssil que foi transportado do território russo e disparado de uma área controlada pelos rebeldes separatistas ucranianos.

"A Rússia está decepcionada". "As conclusões da procuradoria holandesa confirmam que a investigação é parcial e está politicamente motivada", afirmou Maria Zakharova, porta-voz da Chancelaria russa.

O Ministério das Relações Exteriores russo acusou a equipe de investigação conjunta de admitir analistas da Ucrânia, que é parte implicada no incidente ocorrido em julho de 2014, mas de ignorar as contribuições de Moscou, que acusou o governo ucraniano de derrubar o avião de passageiros.

A Rússia, que considera que a equipe de investigação conjunta deu à Ucrânia a possibilidade de "falsificar" provas em seu favor, insiste que sempre defendeu uma investigação da catástrofe com base nos fatos, e não em suposições.

"Ao invés disso, esses investigadores internacionais excluíram Moscou de participação plena no processo, deixando nossos esforços em um mero segundo plano", afirmou a porta-voz do ministério russo.

A diplomata acusou a comissão internacional de "ignorar provas irrefutáveis", quando a Rússia é a única que fornece "informações fidedignas" a respeito.

Em particular, Zakharova se referiu aos dados apresentados na segunda-feira pelo comandante das forças radiotécnicas russas, Andrei Koban, de que o míssil não foi lançado de áreas controladas pelos separatistas pró-Rússia.

O sistema de radares russo situado na região de Rostov do Dom, que fica muito próxima do local da tragédia que causou a morte de 298 pessoas, "não detectou objetos voadores se aproximando do avião nos momentos prévios ao acidente", segundo Koban.

"Se o Boeing malaio tivesse sido derrubado por um míssil disparado de uma área situada ao leste do ponto da catástrofe, (o projétil) teria sido localizado pelo radar russo", ressaltou o militar.

Além disso, Zakharova alegou que "tudo o que sustenta a chamada base de provas da procuradoria holandesa foi apresentado por estruturas de força da Ucrânia, que, sem sombra de dúvidas, são parte interessada" no caso.

Segundo a equipe internacional de investigação, o sistema antiaéreo Buk foi disparado de um campo próximo da cidade de Pervomaysk, no leste da Ucrânia, que naquele momento estava nas mãos dos rebeldes pró-Rússia.

Os investigadores asseguram que a plataforma de lançamento de mísseis veio do território russo e foi retirada logo depois que o avião malaio foi derrubado com 298 pessoas a bordo.

A Chancelaria ucraniana elogiou o relatório e acredita que suas conclusões permitirão punir de uma vez por todas os culpados pela catástrofe, o que qualificou de um "dever moral" para com os familiares das vítimas.

"A publicação desta informação é um passo importante no caminho rumo ao nosso objetivo comum final: levar à Justiça todos os culpados pela derrubada do avião", diz a nota oficial do governo ucraniano.

No entanto, os separatistas pró-Rússia voltaram a negar que tivessem derrubado a aeronave, ao alegarem que não possuem sistemas antiaéreos em seu arsenal.

No Boeing-777 viajavam 298 pessoas, das quais 196 eram holandeses, 27 australianos, 44 malaios e um neozelandês, entre outras nacionalidades.

Mais de 30 familiares das vítimas de Austrália, Malásia e Nova Zelândia, representados por um advogado australiano, apresentaram uma denúncia no Tribunal Europeu de Direitos Humanos em Estrasburgo solicitando uma indenização de US$ 10 milhões por pessoa ao Estado russo.

Últimas Notícias

Ver mais
Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático
Economia

Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático

Há 6 horas

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE
seloMercados

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE

Há 22 horas

Rússia denuncia 'participação direta' do Ocidente na guerra da Ucrânia após vazamento de conversa
Mundo

Rússia denuncia 'participação direta' do Ocidente na guerra da Ucrânia após vazamento de conversa

Há um dia

Arábia Saudita e Rússia prorrogam cortes na produção de petróleo
seloMercados

Arábia Saudita e Rússia prorrogam cortes na produção de petróleo

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais